Olá, “Psicopatas”!

Quem vos fala mais uma vez é Mika Souza e, desta vez, utilizei a coluna não só para relembrar jogos sanguinolentos (até porque falei de jogos de terror no último Ep.) mas para expressar minha opinião sobre eles. A idéia do vídeo veio após a polêmica de um jornalista criticando a violência nos games e ligando a certos fatos que não possuem tantas ligações assim.

Veja se você possui diferenças com os matadores e se realmente somos seres influenciados por games. Lembre de cenas de muito sangue, mata-mata entre amigos na Lan-house e muita bala de metralhadora!

Siga nossos rastros: @michelvvs e @fenix_down

Hasta la vista, Baby!


Michel Victor

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

35 Comentario(s)

  • KrazyFox 5 anos atrs

    Jogos violentos são calmantes. Só quem nunca jogou que afirma o contrário.

    O garoto alemão que queria jogar Unreal Torunament 2 por exemplo, se ele tivesse o jogo funcionando estaria tudo bem… (ou não) XD

  • Cara, essa música de fundo, você falando como se estivesse lendo um livro e esse tem deixaram esse vídeo épico. Muito boa a sua analise sobre a Influência dos Games. Mas assim como um games não pode ser culpado como se culpa uma pistola, as pistolas não podem ser culpadas como se culpa um homicida.

    E só mais uma coisa. Psicopatas não matam por influencia, mas sim por prazer. As pessoas suscetíveis à influência de obras culturais ou midiaticas sofrem de outro problemas.

  • Tenho um irmão esquizofrênico em casa e nós dois sempre fomos gamers assíduos, felizmente, ele nunca teve problema com qualquer seja a intensidade de violência nos jogos (Claro, isso pode ser um caso a parte, falei só por curiosidade mesmo.)

    Fora isso, concordo gigantemente com sua opinião, quando estou cheio de ódio, compro todo tipo de porcaria possivel e jogo nem se for uma hora que o stress praticamente some. No mais, não tenho mais muita coisa pra falar. XD

    Ótimo CGC apesar deste ter um foco mais sério e polêmico.

    • mika_souza 5 anos atrs

      Caro Javan, creio que no caso do seu irmão, apesar da esquizofrenia, há pessoas bem informadas e cuidadosas quanto a ele, diferente de pessoas que têm seu problemas tratados como se fosses algo fácil de dominar, como tratar um cleptomaníaco como um ladrão desonesto. Bem, não sou especialista no caso, mas creio que a criação dada à vocês muito deve ajudar seu irmão.

      Bem, próximo CGC não vai ter nada de triste! Será só alegria! (ou não) hahahah

      PS: Talvez tenhamos leitura de comentários também! \o/\o/

      • Sim, tu tem razão, como eu disse, ele pode ser um caso a parte, não especifiquei, mas quando disse isso eu inclui razões familiares, mas pelo pouco que eu conheço da doença, existem casos que são insuportaveis para ambos os lados da familia, e o final pode ser algo nada feliz.

        Leitura de comentários seria interessante! o

  • xalassa 5 anos atrs

    Ótimo video cara. Épico
    Continue com o ótimo trabalho
    parabéns!

  • 0martinelli 5 anos atrs

    Parabéns, vc escreve muito bem, ao contrário de outras colunas que estão no site só pra encher linguiça, a sua realmente faz A diferença.

    Um abraço!

    • mika_souza 5 anos atrs

      Amiguinho, nenhuma coluna está aqui para encher linguiça. Todos aqui colaboram porque, além de amar video-games, têm alguma coisa legal para mostrar.

      Você não sabe o quanto os idealizadores do Site lutam para manter o conteúdo focado e pontual.

      dê uma olhada pelo site e vai ver como a galera e empenha!

      Até!

  • Fernando 5 anos atrs

    Realmente a sua coluna e uma das (se n a) melhor(es) coluna do Fenix Down, seus textos sao mt bem escritos esta de parabens.

    A respeito do Fenix Down, acho q o Diego e o Fernando acertaram em cheio nesse novo modelo, uma casa para criacao de conteudo de gamer para gamer, abracando e apoiando cada novo projeto dos fas para os fas. Esse modelo tem td pra dar certo, enquanto o site n fica mega conhecido com milhares de posts em kd topico, vou divulgando para q um dia isso seja realidade, espero q a galera faca o msm.

    • diegogc 5 anos atrs

      cara, obrigado mesmo pela ajuda na divulgação =)
      acho que o q mais precisamos agora é divulgar o site mesmo…
      ficamos felizes q o site esteja agradando tanta gente =D

  • Concordo com você que é um poder das mídias, mas acho que um games tem mais influencia que um vídeo pelo fato da própria pessoa "puxar o gatilho". Claro que isso não faz ninguém ficar maluco.

    • Drugue 5 anos atrs

      Sem duvidas a imersão dos games pode ser um empurrão a mais para a psicopatia do cara simplesmente despertar. Mas o cara tem que ser um psicopata ou sociopata pra jogar Call of Duty e sair por ai querendo matar geral. A verdade é que toda a midia tem o poder de influenciar, porém os games (assim como o RPG) tem o fator imersão que muita gente não entende e ainda pior, esses jogos são sempre marginalizados, com isso fica fácil culpar um jogo por um homicídio ou por ter despertado a psicopatia de alguém. Agora só nós gamers é que sabemos o quão terapêutico é jogar um bom jogo, seja ele qual for quando sua vontade é explodir tudo, ou quando tudo parece estar desabando a sua volta.

  • Juliano 5 anos atrs

    Belo pensamento…

    Porém, para mim, esta mais que claro o que posso e não posso fazer na sociedade em que vivemos, esta muito claro as consequências que as infrações geram.
    Acho que o motivo disso, é a educação (palavra chave!), a qual tive muita sorte e agradeço de ter recebido e a uso.

    Para mim, o videogame é apenas simulação, aonde eu até posso fazer "coisas erradas", mas simplesmente não tenho vontade, ao menos quando é necessário para progredir no game (me sinto culpado quando jogo GTA IV e estou fugindo da policia e acabo por cometer algum atropelamento, acho a fisíca muito real rs).

    Joguei bastante NFS Shift, F1 e isso não me influenciou em nada em meu estilo de direção defensiva ao guiar um veículo na vida real.
    Ou seja, não acredito que um jogo eletrônico possa me influenciar.

    • mika_souza 5 anos atrs

      cara, também sou um pudico quando jogo GTA. Se bobear, até paro no sinal! hahahahahah

      Sobre não crer na influência dos jogos, descordo de você, mas é esse debate que é bom ter, saca?

      Digo mais: os games que passaram na minha vida me influenciaram e muito! Tenho melhor raciocínio, sei me colocar em certas escolhas, tenho um inglês acima da média entre outros benefícios!

      Btw, alguém reparou no que eu falo no início do vídeo? (valendo uma bala "7 belo"!)

      • Dinopron 5 anos atrs

        CTHULHU! XD

        Eu também jogo de forma bem prudente nos sandbox, ao contrário do meu irmão que toca o terror nos pobres cidadãos digitais, jogando Mafia 2 (Jogo muito foda) esses dias acabei atropelando sem querer uma velhinha, puxa vida! até desci do carro para ver se ela estava bem, mas seu corpo jazia inerte na calçada, a bolsa da senhora caída alguns metros a frente, alguns transeuntes pararam para observar a cena trágica, infelizmente parece que nos anos 40 não haviam ambulâncias pois ninguém apareceu para prestar socorro à pobre senhora, eu fiquei com uma sensação ruim por algum tempo, resolvi sair de lá antes de ser linchado por populares. De alguma forma estranha eu tirei uma experiência disso, algo que eu quero que nunca aconteça na realidade, acho que os jogos servem um pouco para isso, experimentar coisas que você nunca faria na vida real, só que sem fazer mal a ninguém.

        • Juliano 5 anos atrs

          @Dinopron

          Isso é que é empatia rapaz! Acredito que o mundo seria muito melhor se a maioria das pessoas a tivessem assim tão desenvolvida.
          Mas infelizmente, existem muitas outras necessidades (sobreviver, vencer) que os seres-humanos possuem antes de se preocupar com o próximo.

          E você aprendeu (em consequência, eu também) que é possível que naquele tempo não houvessem ambulâncias mesmo.
          Vi uma vez que algum tempo atrás, não existia o serviço de bombeiro! Imaginou? rs

      • Juliano 5 anos atrs

        @mika_souza

        Todos somos livres para "disconcordar", dialogar e aprender :-)
        Acho até que temos uma opinião bem parecida.

        Acredito que é possível obter melhor raciocínio, melhor inglês dentre outros beneficios que o videogame pode trazer, mas que também seria possível com um livro ;-)

        Afinal, eu acredito mais que uma pessoa violenta (que a vida a mau tratou, ou que possua algum distúrbio psicológico, ou simplesmente alguém do mau mesmo) vai guiar/influenciar/comandar seu personagem em qualquer jogo de maneira violenta, e não o contrário.

  • Freddie Penido 5 anos atrs

    Não sei quanto ao valor da violência por violência é válido nos games.
    Eu voltei a jogar video games mais velho depois um bom tempo parado, e fiquei fortuitamente surpreso de encontrar nesse novo mundo um campo complexo para que boas histórias fossem contadas.

    Aí que entra meu problema. Eu acho justifícavel a violência desde que ela seja necessária para que a história seja contada.

    Um exemplo que eu sempre lembro é no cinema com o filme " Silêncio dos Inocentes", o filme é bem violento mas em momento algum deixa-se de ser isso necessário para o desenvolvimento do filme. Na sequência, que convenhamos, é bem fraca, e provavelmente tinha mais a ver com fazer dinheiro, a história é premissa pra chocar com a violência. Um está ligado a contar a história e o outro está ligado a somente vender a violência. Alguem lembra de algo do "Hannibal" além da criança que come cérebro?

    Não acho justíficável a violência como em "Postal" ou em "Manhunt" onde eu identifico essa falta de propósito, e acho que pessoas podem sofrer das duas formas de influência, separados ou ao mesmo tempo: 1) servir como escape 2) atenuar a agressividade( caso aja situações propícias e de frustração).

    No entanto, acho completamente justificável a violência quando e necessária para a imersão e construção da narrativa. Modern Warfare 2, fez isso muito bem. Melhor ainda eu vejo em Bioshock, o jogo é violentíssimo, existem opções de como apreender aquele mundo, e eu me sentia humano e confuso, por exemplo, ao escolher matar ou não as little sisters. O que é muito diferente do que viver naquela história um afastamento da minha condição humana.

    • Júlio Neto 5 anos atrs

      Eu mato todas as little sisters de Bioshock 2 pra comprar mais habilidades, devo ser um psicopata.

      • Juliano 5 anos atrs

        @Júlio Neto

        Não acredito que seja psicopata rs.
        Também não acredito em simples causa-efeito neste caso. Acho que existem muuuitas causas para se chegar a algum efeito.

        É só um jogo de video-game, e você esta fazendo coisas que não se faz no mundo real.

    • Juliano 5 anos atrs

      @Freddie Penido

      Que legal, também penso igual a você

      Além disso, voltei a jogar video-game em 2008 (tinha parado em 2001 no Nintendo 64).

      Me lembro o espanto que foi comandar Kratos em God of War, aqueles Quick-Time-Event no qual ele brutamente enfia suas "espadas" nos olhos de chefes, etc
      Fui muito espanto ver tanta violência no video-game (apesar de jogar Mortal Kombat desde a época de fliperama)

  • Cardiano 5 anos atrs

    Po cara, parabens pelo post ficou muito bom msm… continue assim

  • Julinho-Rockman_kun 5 anos atrs

    Po cara, show de bola tua coluna, gosto muito da forma como vc desenvolve o assunto, ta de parabens mesmo!!!

  • Cardiano 5 anos atrs

    Isso é um absurdo, o cara faz um trabalho serio e vem esse desocupado avacalhando tudo… BABACA

  • inominavel 5 anos atrs

    Finalmente pude assistir minha coluna favorita!!! depois de uma semana de prova.. nada melhor que voltar os olhos para as nerdices.
    Caraca to impressionado com o CGC dessa semana,muito bom, texto bem elaborado, e concordo com o que foi dito, concerteza os jogos influênciam agente, eles me influênciam e muito, sempre que estou passando por alguma siutação dificil ou algum problema eu faço como os personagens do jogos que jogo, eu enfrento de frente a situação, encaro o perigo, persisto na minha vitória, claro sempre uso a influência de maneira metafórica, e não literal, é isso que eles fazem à mim!

  • Julio Baltazar 5 anos atrs

    Devemos tomar cuidado ao tentar defender o nosso hobby. Por isso é sempre bom discutir sobre o assunto,para vermos o ponto de vista de outras pessoas e assim ajudar a formular idéias mais concretas e efetivas. Essa história que que a violência nos jogos é uma forma de escape do estresse da vida real tá hoje tá sendo usada de forma abusiva, e na minha opinião começando a se voltar contra os gamers. Está criando a imagem de que todo gamer é complexado e um poço de emoções destrutivas, e só n explode pq todo dia faz uma chacina virtual. No CQC dessa semana dois pré-adolescentes participaram de um quadro que confrontava as atividades nos vídeo-games com as atividades da vida real. Um dos garotos usou esse artifício pra defender a violência dos jogos, mas não soou bem da forma que ele falou, além de ser um comentário artificial, uma visível reprodução daquilo que todo mundo fala toda hora.

    Sobre as influências nos jogos, lutas me influenciam pq tenho fascínio por ates marciais, armas de fogo me influenciam por toda a disciplina necessária para usa-las (e pelos filmes de brucutus dos anos 80/90 e até 00. Quem nunca se empolgou com a trilogia Bourne?). Dentro dos jogos, é uma forma de eu exercitar minhas preferências no conforto do lar, sem ter que gastar muito dinheiro (se tivesse , praticaria na vida real tb), assim como jogos de corrida e jogos musicais. Mas antes disso tudo, somos animais, e todo animal que se preze tem ânsia por 2 coisas…Violência e sexo. São dois instintos primordiais que fascinam e sempre vão fascinar qualquer criatura viva. Onde tiver sexo e/ou violência, haverá seres humanos para admirará-lo(a).

    Qual a diferença de um jogo de guerra ou um filme de guerra, ou um livro de guerra, ou um romance qualquer, ou uma novela que se chama "Passione" onde o mote central é descobrir quem é o assassino e série? Qual a diferença entre GTA, por exemplo e o desenho do Pica-Pau, ou South Park, ou Patolino, Tom e Jerry, ou do Pato Donald que pega um cal.12 pra matar a abelha que estragou a pintura do seu carro?

    Acontece, como dito no GodMode do SNes, teremos agora a primeira geração de crianças em que os pais são gamers de verdade. Na maioria dos nossos casos (quem tem entre 20 e 30 anos agora, como eu), temos pais que não entendem bem o que é um game. Temos políticos e líderes que entendem menos ainda. Só hoje que podemos realizar nossos sonhos de criança de ver os jogos invadindo a mídia em geral, isso pq nós mesmos arregaçamos as mangas e invadimos os espaços, com podcasts, sites, quadros em programas de TV ou no jornal impresso.

    Quando um video-game deixar de ser coisa de outro mundo, aí sim poderemos jogar em paz. Mas até lá, temos que aprender a nos defender desses estereótipos, e a zelar por nossa imagem.

  • Julio Baltazar 5 anos atrs

    Desculpa pela tese que fiz agora, mas espero que vcs leiam e entendam os meus motivos :p

    • Juliano 5 anos atrs

      Legal Julio, li e gostei tambem!

      Se entendi direito, seus gostos influenciam seus jogos, e nao o contrario. Bom, eh assim que penso tambem.

      PS: minha admiraçã por violência faltou na minha composição e veio apenas a por sexo mesmo ;-)

  • Anarcker 5 anos atrs

    Ah, tipo, jogos violentos são legais pela jogabilidade e forma como são mostrados… por isso apenas os bons vendem bem. :) Eu por exemplo, nem gosto de GTA (é um jogo super legal e etals, mas nao me prende), mas nem por isso deixo de jogar coisas mais "doentes" como Bioshock.

    É mais como se sentir um soldado, ou herói, ou vilão de alguma situação… como uma curiosidade do tipo "como será ser assim? o que a pessoa sente quando faz isso?". Ao meu ver é isso. É como um monte de crianças (nerds ou não) brincando de Dragon Ball, Power Rangers ou Polícia e Ladrão (como foi dito no vídeo). Só que com algo mais realista do que apenas "gritos e pistolas d'água". =)

    Mas claro que uma pessoa desequilibrada não vai saber diferenciar a fantasia da realidade… e é aí que esse tipo e gente tem que ter uma orientação, não ser marginalizada. E também respeitar a faixa etária dos jogos é legal… elas estão lá, só não vê quem for cego (mesmo "comprando" na internetz). O/

  • Cool! That’s a celver way of looking at it!