Vamos para mais um Tô Jogando aqui no Fênix Down! A coluna que é mais sua do que nossa!

Nessa semana, Lucas Pires fala do overrated Brutal Legend, jogo do Jack Black para XBOX 360 e PS3.

Agora leia atentamente, comente e não se esqueça de enviar o seu review para colocarmos aqui no Tô Jogando!

[gameinfo title=”Game Info” game_name=”Brutal Legend” developers=”Double Fine” publishers=”Eletronic Arts” platforms=”XBOX360 e PS3″ genres=”Ação e Estratégia” release_date=”13/10/2009″]

O hype é algo que pode estragar um jogo para alguém e no caso de Brutal Legend ocorreu algo semelhante. Muitos se sentiriam enganos devido a propaganda enganosa, como trailers e previews ou até mesmo uma declaração do próprio Jack Black antes do menu inicial: “This will not blow your mind, it’s gonna blow your soul¹”.

A sinopse do jogo pode ser resumida em uma simples (ou não tão simples assim) frase: É um jogo aonde Jack Black interpreta Jack Black no mundo do Heavy Metal, mas isto não tira o mérito da história que assim como em todo jogo do Tim Schafer temos um plot muito bem estruturado, personagens de personalidades distintas e extremamente carismáticos e um mundo bem construído de dentro para fora aonde o personagem controlado pelo jogador exerce o papel do famigerado personagem orelha.

Boa parte do carisma dos personagens vem do voice acting, não apenas por estar repleto de vozes famosas como as de Ozzy Osbourne, Tim Curry, Lita Ford (The Runaways) e Lemmy Killmister (Motorhead) e sim pela qualidade da atuação de cada um dos envolvidos, seja um simples figurante até o vilão.

Falando em som, um jogo sobre música teria que ter uma ótima trilha e Brutal Legend possui uma das melhores trilhas sonoras não originais dos games. Inclusive músicas como Trough The Fire and Flames e Mr Crowley chegam a roubar a cena. Como era de se esperar, o jogo é repleto de referências ao Heavy Metal como amazonas com uma pintura de guerra extremamente semelhante a do KISS (Secos e Molhados, cof), um solo com o nome de Bring it on Home que faz com que um zepelim em chamas caia no campo (sacou? Led Zeppelin) ou até mesmo no visual do mundo influenciado pelas ilustrações dos álbuns de bandas de Heavy Metal.

Aproveitando a deixa, vamos avaliar o visual do jogo. Novamente Tim Schafer nos apresenta um excelente character design, é impressionante o esmero dado as unidades, como a musculatura do pescoço hiper-desenvolvida dos headbangers ou no conceito dos animais deste vasto mundo. Os gráficos cumprem seu papel, dando expressividade para estes personagens cartunescos, mesmo que não sendo os melhores desta geração.

O ponto mais polêmico de Brutal Legend foi sua jogabilidade, graças ao fato dele ter seguido uma estratégia de divulgação muito comum aos filmes do M. Night Shyamalan que é vender seu produto como algo que ele não é. Muito se frustraram com o fato do jogo também ser um RTS. E mesmo sendo um RTS extremamente fraco em estratégia (se limita a montar um pelotão e mandá-lo para o ponto x), ele seria o melhor RTS para consoles se não houvesse o Halo: Wars.

A jogabilidade de Brutal Legend é uma verdadeira faca de dois gumes, se por um lado os diversos tipos de jogabilidade tornam o ritmo do jogo bastante agradável, por outro, o jogo acaba sabendo nada de tudo, já que nenhuma destes aspectos é aprofundado. Afinal, ele não é um bom Hack’n’Slash pela pouca variedade de combos e não é um bom sandbox, pois é muito triste ver aquele mundo lindo e enorme sendo povoado por side-missions repetitivas. Mesmo assim é um bom jogo, pois assim como o Enslaved (que não é um bom jogo de ação em terceira pessoa), os dois promovem uma experiência inusitado e possuem personagens tão interessantes que os tornam algo original nesta geração repleta de remakes.

Trailer Oficial

¹Não vai explodir sua cabeça, vai explodir sua alma

Host do Last Hit, atração sobre League of Legends do Fênix Down. Videos, podcasts e futuramente muito mais.

Facebook Twitter 

Categoria:

To Jogando

Tags:

, , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

22 Comentario(s)

  • Rafaelcaco 5 anos atrs

    So pela trilha sonora do jogo vale a pena, concerteza.

  • andrss 5 anos atrs

    Jogo muito ruim.

  • Até que enfim hein Kazz! rs

    Cara, Brutal Legends foi o maior chute no saco no mundo dos games. Digo isso pq, como o Lucas fala, ele foi vendido como um Hack'n Slash e o game não era bem isso, ele tinhas uns Bônus. A parada era um RTS/SandBox/Hack'n Slash e isso não pode ser boa coisa. Mutos elementos que eu acredito não terem sido trabalhados como deveriam, e nem mesmo combinarem entre si. É um jogo sem foco!
    Essa minha opnião de merda é constituída através de reviews, videos e comentários de outros jogadores, eu não joguei e nem pretendo. Posso estar falando as maiores asneiras possíveis, mas Brutal Legends não parece um bom jogo.
    No mais, valeu pelo Review e continue mandando o

  • Parabéns Lucas, o review está muito bem escrito e você no ponto sobre o jogo sem ficar enrolando.

    Brutal Legend também foi uma decepção pra mim. E olha que eu gosto de todos os estilos de Metal, mas por algum motivo o game me enjoou em apenas 2h. Nunca mais peguei nele, não sei porque.

    Ele não me atraiu o suficiente para querer continuar a jogar, talvez por ser exagerado demais, muito metal farofa e galhofa.

    Como você bem disso ele é um bom jogo, mas peca em várias sentidos. Eu acrescentaria que Brutal Legend tenta ser várias coisas, mas não consegeue ser nada direito e tudo mediano. Mediano no hack n' Slash, mediano no RTS e Médio também no sandbox. Parace aqueles aparelhos "MP algumacoisa", tem várias funcionalidades e não executa nenhuma direito. É assim que vejo Brutal Legend

  • Brutal Legend é um dos jogos que mais gostei de ter jogado no 360!
    Quando li que Tim Schafer ia fazer um jogo com a temática Heavy Metal, imediatamente eu parei de ler e evitei ao máximo ver qualquer coisa sobre o jogo pra não cair no hype… e consegui! Quando lançou, eu nem vi review nem nada, já comprei imediatamente sem pensar e curti à vera, até mesmo o RTS (até pq eu não sou fã de RTS e achei o do jogo bem estiloso e simples).
    Depois de terminar eu vi uma penca de gente reclamando que o jogo não era um God of War, aí pensei "Quem raios disse que seria?", fui pesquisar e não deu outra, a galera caiu na pilha errada.

    Lição do dia: Se você está esperando muito, mas muito mesmo por um jogo (ou um filme mesmo) evite ao máximo qualquer contato até o lançamento. Resista a tentação.

    • Concordo sobre a Pilha errada,mas o jogo como um Hack and Slash realmente não é um god of war

      • Até pensei que ooderia ser culpa das múltiplas jogabiliadades,mas o Batman se divide em vários tipos de gameplay também e sua parte stealth é melhor que muitas séries Stealth por aí.

  • inominavel 5 anos atrs

    Eu sempre fiquei pé atrás com esse jogo depois dos reviews que detonaram o jogo, =/ mas porém… acho que para mim um adorador do metal vou me divertir muito com as referências! e por isso… vou ter que jogar de qualquer maneira! deve ser muito Fan Service!

  • mateusix 5 anos atrs

    Eu queria jogar. curto Tim Schafer. De metal não sou lá muito fã nção, tenmho até aquele conhecimento básico, sei quem é quem, quem fez o que, nomes, bandas, músicas….mas, eu não conhecendo tanto assim, pode estragar minha experiência com o game? Outra coisa é: Odeio Jack Black (sério) e ODEIO RTS. puta merda….pensei que o jogo fosse outra coisa. =/ hahaha e agora?

    • Antes de responder,só uma duvida tu é o six do supercontrole?Cara eu só sei as por nome mesmo,não sou o maior fã de Heavy Metal e de Jack Black.Mesmo que ele seja bem mediano como RTS (e sim eu adoro rts),mas ainda acho que o jogo vale a experiência só pelo seu estilo visual e roteiro,que felizmente não concentra seu humor no JACK BLACK.

  • Lucas Pires 5 anos atrs

    Caraca teve gente que comentou meu texto,to impressionado

  • Anderson Tristan 5 anos atrs

    Comecei a jogar o Brutal esse final de semana e para quem curte Rock o jogo é um prato cheio com suas referencias, satiras e etc.. a maior falha em Brutal é tentar incorporar varios tipos de "jogabilidade" mas sem se aprofundar em nenhuma delas assim afastando os jogadores casuais por ter uma mecanica superficial e tb os mais hardcores por não apresentar nada realmente "profundo" (além da progressão da historia). No final os unicos que vão realmente curtir o jogo serão os fãs de rock, Tim Schafer e Jack Black

  • It all actually resolved my problem, thank you!

  • Many thanks writing the details. I recently uncovered the data exceedingly practical.

  • you are actually a good webmaster. The website loading pace is amazing. It seems that you are doing any unique trick. In addition, The contents are masterwork. you have performed a wonderful task in this matter!