Olá pessoal! Aqui é o DioRod, editor do Gambiarra Blog trazendo para vocês nessa nova coluna um pouco sobre o “fantástico” mundo dos quadrinhos… “Espera aí, mas esse é um site de games!” Calma, galera! A Gamics terá como objetivo falar de games de quadrinhos e vice-versa, trazendo sempre o melhor ( e o pior, por que não?) dessas duas mídias tão marcantes na vida nerd do povo! E na minha estréia aqui no Fênix Down trago para vocês um verdadeiro clássico de beat’m’up dos anos 90!

Criado em 1994 para “celebrar” um arco de histórias da Marvel, “Maximum Carnage” é um crossover entre Homem Aranha, Venom e vários heróis e vilões da Marvel. Antes de falar sobre o jogo (e o quadrinho em si) é importante citar duas coisas: as origens dos simbiontes; para resumir, leiam a saga Guerras Secretas, que mostram como o aracnídeo conseguiu seu uniforme negro. Esse uniforme deu origem ao vilão Venom, favorito por 8 entre 10 leitores do Aranha na época. Com poderes similares ao do herói, ele foi uma pedra no sapato por todos os anos 90, até o aparecimento de um certo “filhote” dele. Ao ser salvo pelo seu simbionte, Eddie Brock ( o alter ego do vilão na época) deixou uma “gosminha” no que sobrou da parede que ele arrebentou. Seu companheiro de cela, Kletus Cassady (um meigo serial killer), ao encostar no que sobrou, virou uma variação de Venom.

Seu nome? Carnificina (ou Carnage, no original).

A história do jogo se passa após a primeira união do Aranha com o venom para prender Carnificina, e tudo é igual a HQ, as “cutscenes” são versões pixeladas dos quadros dos quadrinhos. O desenrolar da trama é um grande massavéio (trademark MDM): ao escapar da Gruta (prisão para super criminosos) ele encontra com a vilã Shriek (eita vilã mais obscura- naquela época e hoje em dia) e os dois decidem se aliar para acabar com o Aranha. Olha galera, estamos falando de uma HQ dos anos 90 que gerou um Beat’n Up, então a história é o de menos: o mais impressionante desse jogo (fora a trilha sonora incríve) é sua dificuldade: há fases em que você enfrente TODOS os mestres de uma vez… E só para vocês terem uma ideia são pelo menos uns 7 mestres no jogo, entre eles, além dos já citados:

Duende Demoníaco: Versão encapetada do Duende Macabro, que numa fase chamada Inferno fez um pacto com o demônio. O personagem em si foi criado no início dos anos 80 e a identidade original do vilão era o repórter ned Leeds, amigo de Peter, e que foi morto pelo “herdeiro” da capa de Duende, o Estrangeiro;

Contraparte Aranha: na Saga do Infinito, durante mais precisamente a Guerra Infinita, o vilão Magus criou várias contrapartes dos heróis. Após a Saga, misteriosamente, a contraparte do Amigão da Vizinhança (uma versão do Aranha com oito braços monstruosos) sobreviveu. A saga é explorada em outro jogo, o War of Gems (um dos clássicos do SNES).

Carrion (Carniça): personagem super obscuro, que não tem muitas informações sobre ele. Mais um que sumiu da mesma forma que apareceu.

Já dos lados dos mocinhos, eles funcionam como “summons”- durante o jogo, esses personagens podem ser chamados para ajudar os heróis:

Manto e Adaga: dois personagens de menor escalão da editora, mas que tem uma história muito interessante- o sombrio Manto lida com a FORÇA NEGRA, um poder muito grande e que corrompe seu usuário. Para que ele não seja dominado, necessita da bela Adaga, que controla o poder da Luz;

Flama: membro dos Jovens Guerreiros nos anos 90 e dos Vingadores nos anos 2000, a jovem teve sua primeira participação no desenho animado “O Homem aranha e seus Incríveis Amigos”, junto com o Aracnídeo e o Homem de Gelo. Seus poderes são baseados em Microondas (que se mostra muito útil contra os simbiontes- vulneráveis a fogo);

Morbius: esse é um vilão clássico do Aranha, mas que esta HQ é um aliado. O vampirismo de Morbius não tem a ver com a clássica maldição, mas sim com um vírus criado pelo cientista. Sua sede de sangue é parte do vírus (que seu corpo não produz mais).

Iron Fist: o milionário Daniel Rand se perdeu nas montanhas de Kun Lun e lá, após passar por um arduo treino, torna-se o Imortal Punho de Ferro, campeão do reino. Seus poderes são baseados na canalização de energia em seus punhos, além do arduo treinamento em artes marciais. Ele poderá ser visto agora em Ultimate Marvel vs Capcom 3;

Deathlock: mais um personagem obscuro dos anos 90, ele basicamente é um andróide que viaja pelo ciberespaço. Sem mais… =P;

Capitão América: após ser congelado por 40 anos, o super soldado Steve Rogers foi encontrado pelos Vingadores. Com seus valores inabaláveis e seu escudo indestrutível, o Capitão surge como uma luz para o Aranha e seus aliados;

Gata Negra: outrora uma habilidosa ladra, que se redime por seu amor ao Aranha, Felicia Hardy ainda não sabe de que lado fica, e quais princípios seguir- a política pacifista e não-mortal de seu antigo amor, ou o “olho por olho” de Venom;

Vale lembrar que o jogo é extremamente difícil, chegam a ter 4 a 5 mestres de uma vez (como no vídeo abaixo). Mas a trilha sonora e as cutscenes valem a pena. Pena que não há modo de dois jogadores, que foi consertado em sua “sequência” Separation Anxiety.

É isso aí pessoal, a coluna essa quinzena ficou gigante, devido ao alto grau de informações. Para quem se interessar, os scans da HQ de “Carnificina Total” (nome aqui nos BR) são fáceis de achar, mas que fiquem avisados: trata-se de uma HQ dos anos 90 (li na minha viagem e bem… enfim…).

Valeu galera!!!

Observação importante: esse post foi publicado originalmente no Tudo no Pote. Meus agradecimentos ao Túlio por permitir sua publicação na íntegra aqui e ao Diego (meu quase xará) pela oportunidade conferida a minha humilde pessoa!

Escritor frustrado e viúva da Sega, acho que sou o único que gosta dos amigos do Sonic (até mesmo aquele gato estranho do Adventure 2).

Facebook Twitter YouTube 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

46 Comentario(s)

  • FernandoX 5 anos atrs

    eu jogava maximum carnage no SNES
    mas eu lembroi de apanhar mto ahuaha

    • Eu joguei primeiro o Separation Anxiety no Mega drive… o Maximum Carnage via mais na casa de um amigo…

      Tinha medo do Carnage! hhahahahaha…

    • Bruno 5 anos atrs

      Fernando você sabe se meu e-mail em relação aos comentários ta bloqueado?
      Tentei comentar com o meu e-mail do yahoo, e ele é deletado, tive que até usar outro.
      :(

      • FernandoX 5 anos atrs

        cara, o wordpress as vezes fica maluco e coloca qualquer coisa como spam ahuahua
        ja aconteceu outras vezes com outras pessoas, relaxa xD

  • Bruno 5 anos atrs

    Simplesmente fantástico ou AMAZING essa coluna. A escolha do jogo também foi muito bem feita. Esse jogo é um dos mais memoráveis do aranha.
    Como sou fã de HQs, achei essa idéia foda. Maximum Carnage foi um jogo que joguei no Sega Genesis (Mega Drive), e ele era foda, apesar de sua dificuldade. Como dito no texto a representação da estória ficou maravilhosa (apesar da estória não ser tão boa assim).
    Será que vamos ver essa coluna falar de Batman Arkham Asylum ou Arkhan City (aproveitando seu lançamento)? XD

    • Muito obrigado pelo comentário Bruno!

      A história realmente não é um primor (li recentemente), mas casou perfeitamente com o estilo do jogo, ainda mais na dificuldade: o aranha e o Venom só apanham nessa HQ, ehehehe

      E sobre suas sugestões, quase certeza que o arkham Asylum aparece… O city não tão cedo, por que ainda não comprei… =/

      Mas valeu mesmo cara! espero que curta os próximos!

      • Tohno Shiki 5 anos atrs

        Cara por mais que eu goste do que o Grant Morrison escreve, o jogo (Arkham Asilum) consegue ser superior a HQ. No jogo eu consigo identificar as pessoas e os desenhos, na HQ tá muito escuro e muito bagunçado.

        • Eu não consigo gostar do Morrison… ele faz umas coisas muito viajadas pro meu gosto… =/

          • Tohno Shiki 5 anos atrs

            É só pegar um dicionário de referências, usar Nonopowder e ouvir 3 podcasts de quadrinho ao mesmo tempo, que você começa a gostar.

  • Muito boa coluna! Eu lembro que cheguei à jogar no Snes, mas nunca foi um jogo que se destacou na minha memória. Com certeza vou tentar dar mais uma jogada nele, embora eu nunca tenha sido muito fã de beat'm'ups
    Gostei dessa imagem com o Capitão América estendendo a mão pro Aranha e atrás da cabeça dele a lua, dando um aspecto angelical pro soldado.

    Mas o que mais me interessou foi esse background da Adaga e o Manto, parece ser bastante interessante mesmo

    • O Manto e adaga são das sacadas mais legais de personagens da Marvel… Pena que não exploram muito…

      E o desenhista dessa cena do capitão (o Sal Buscema), tem um traço bem característico, e foi a primeira vez que o vi desenhar o Sentinela da Liberdade… Foi bem legar vê-lo na história!

      • Tohno Shiki 5 anos atrs

        Eu acho que até tentaram fazer uma série para eles mas não deu muito certo.

  • homerofeanor 5 anos atrs

    Sim o que dizer de Maximum Carnage? Com certeza é um jogo que me traz muitas recordações dos meus tempos de Super Nintendo. Me lembro como era bom conseguir fazer um double smash(movimento no qual o homem aranha atirava teia em dois enimigos ao mesmo tempo, lançando-os para cima e fazendo com que um batesse na cabeça do outro) nas chefes da primeira fase, ou até mesmo na segunda fase ir subindo o prédio desviando dos raios que eram avisados pelo sentido aranha. Mas o que eu gostava mesmo era jogar com o Venom caraca como era legal (Saudosismo 1000%). Enfim Maximum carnage e um jogo excelente pelo menos pra mim.

    Muito legal a ideia da coluna afinal exitem muitos games baseados nesta que digamos seja uma cross media entre quadrinho e games. VLW

  • Tenho trauma da segunda fase desse jogo, o Aranha tem que subir um prédio, e toda vez que eu tava quase chegando no topo, levava um golpe e caia lá embaixo…

    • somos 2! Jogando ele pra coluna, desisti do jogo na SEGUNDA FASE…

      esse jogo não era bolinho…

      • FrankCastle 5 anos atrs

        Essa segunda fase é clássica, além de ter o lance legal do sentido aranha, tem uma passagem secreta lá em baixo. E quando você chega no topo para enfrentar os chefes, dá para fazer um lance muito loco (como eu adorava fazer isso, hauahauahau), vejam até o final:
        http://www.youtube.com/watch?v=vGxEjQPziAY

  • Lubomir 5 anos atrs

    Muito boa a coluna! Curiosidades e saudosismo no talo =]

    Pergunta: Aquelas HQ's que volta e meia fazem pra expandir o game (prequels, sequels, histórias paralelas), entram na categoria da coluna tb?

    No mais, sucesso pra Gamics! =D

  • FrankCastle 5 anos atrs

    Aê, jogão! Parabéns pelo post!

    Tenho o cartucho de SNES aqui até hoje (pena que não é vermelhão, nessa cor só tenho o Doom hehe).
    Me lembro até hoje, ganhei o meu SNES em meados de 1995 e acreditem se quiser, quem me deu de presente não foram meus pais e sim minha irmã (!). Lembro que fui na loja Hi Happy com ela e tinha várias caixas de SNES da Playtronic cada um vinha com um jogo diferente, tinha aqueles com Super Mario World, Super Mario All Stars,mas quando vi Maximum Carnage, não pensei 2 vezes!!! (Nessa época, de cada 10 Super Nintendo comprados, 11 vinham com Super Mario World, hahaha).

    Coloco Maximum Carnage fácil em um top 10, talvez até top 5 de Beat 'em Ups. Ele realmente é extremamente difícil, só consegui terminar pegando as vidas extras nas passagens secretas e mesmo assim deu trabalho. A fase, que não é das últimas, mas que é talvez a mais difícil, um INFERNO é a Prospect Park I ou II.

    Os sons e as onomatopéias do jogo são demais. As cutscenes são um show a parte (é uma pena que o final do jogo seja porco só com 2 quadrinhos). Mas o que vale destacar também é a trilha sonora, feita pela banda Green Jëlly! Jogando no SNES então (que tem uma placa de som melhor), é magnífico. Músicas pesadas com solos de guitarra muito bem executados (e algumas músicas são cover, entre elas uma do Dio, não confundir com o DioRod, hehehe).

    Para quem não conhece, é a banda do famoso clipe dos 3 porquinhos ( http://www.youtube.com/watch?v=_CYwNWHZuT0 )

    E a banda chegou até mesmo a fazer uma versão cantada da música de abertura do jogo: CARNAGE RULES!!!! http://www.youtube.com/watch?v=DzvYRFhu7qc

    ♫ No matter what your size
    Crushin' spiders like flys ♪

  • Eduardo Silva 5 anos atrs

    Po, me trouxe altas lembranças agora…
    Maneiríssima a coluna e acho que num poderia ter começado com jogo melhor.
    Fã do Homem-Aranha como sou, esse jogo (e o Separation Anxiety) fizeram parte de grandes momentos em frente a telinha jogando.
    Curti mto como vc conseguiu sintetizar os personagens, acho que funciona bem pra quem num conhece mto do Universo Marvel/Aracnídeo.
    Parabéns!

  • Emeagate_ 5 anos atrs

    Poxa, minha infância está nesse cartucho. Joguinho difícil, não consigo contar quantas vezes morri no último chefe.

    Vale lembrar que a trilha sonora foi composta pela banda Green Jelly, do clássico clipe dos três porquinhos, salvos pelo Rambo, que metralha o Lobo Mau.

  • Nervmaster 5 anos atrs

    Primeiramente parabéns pela sua coluna. Eu já joguei esse jogo no SNES e ele me marcou por ter "o aranha de 4 braços" que hoje confirmo são 6. Ojogo era realmente bem dificil principalmente as partes do Venom (eu apanhava muito com ele) mas como era locado devolvi para nunca mais vê-lo (acho que mudei de cidade na época).
    Seu artigo ficou ótimo mesmo com alguns erros de português. Eu sinceramente não me importo de ver uma coluna regular de quadrinhos-only já que o universo das HQs sempre me impressionou (Vide Marshal Law) até que seria bom ver uma por aqui. Sei que há muitos jogos baseados em quadrinhos mas os que eu mais gosto (as graphic novels) há pouquíssimos. Mas sua coluna se mostrou interessante e captou meu interesse de ler a próxima. Mais uma vez parabéns.

    • Muito obrigado pelo comentário Nervmaster!

      Sobre os deslizes na gramática, a prática leva a perfeição! Pode ter certeza que revisei o texto, mas sempre escapa alguma coisa…

      espero você na próxima coluna!

  • Pô véio, logo agora que eu tinha mandado um texto falando da HQ do Gears…. :(

  • Parabéns pela coluna, vou segui-la fielmente ! Mas você terá muito trabalho, já que boa parte dos jogos apartir do PSOne baseados em comics são ruins :)

    Nuca cheguei a zerar o Maximum Carnage no SNES, pois sempre jogava em locadora e não dava tempo !!!

  • Heder 5 anos atrs

    Estranho, pensei que eu já tivesse comentado! o.O
    Bom, o lance é: o jogo é muito louco mesmo, mas O GIBI… Chega a ser triste de tão fraco. DEFINITIVAMENTE tem coisa que funciona nos games e não nos quadrinhos. E vice-versa. Ótimo artigo, chapa!

  • Diego Shinobi 5 anos atrs

    ESSE JOGO É FANTÁSTICO! É completo em tudo, inclusive na dificuldade tornando-o um jogo gamer-hardocore-only!!! conheço poucos que já zeraram e eu infelizmente não sou um deles…ou seja não sou gamer hardcore hauhauhauahu
    Adoro quando um game de beat and up nos dá a oportunidade de matar os vilões de várias formas diferentes, como no referido jogo em que podemos balançar de um lado para o outro dando voadeiras, subir na parede e descer acertando a cabeça dos pelegos e disparar teias em dois vilões ao mesmo tempo juntando-os numa puxão!

    Muito boa a coluna e pela quantidade de coments to vendo que está fazendo sucesso! Continue nessa pegada e mescle saudosismo com coisas atuais, tem nego que já deu a dica de um game foda: o GOW da Microsoft HAUHAUHAU e o GOW da Sony tmb vai ganhar quadrinhos por esses dias hein #fikdik!!

  • SeoCrispim 5 anos atrs

    Cara, adorei a tua coluna.
    Eu li o encadernado do Maximun Carnage nos anos 90. Achei demais.
    Sempre achei o Carnificina meio galhofa, mas muito bom.
    Não cheguei a ler muito mais histórias com ele, li mesmo só alguns encadernados de arcos fechados.
    Conheci o jogo antes e por isso me interessei em ler. Esse jogo era difícil DEMAIS. Deus do Céu…
    Bom, aguardo novos textos sobre outros jogos.
    War of Gens, já citado, é um obrigatório para aparecer aqui.
    Outra sugestão é um de Arcade, posteriormente portado para Mega Drive: Capitan America and The Avengers. Nesse jogo você podia controlar o próprio bandeiroso, o Homem de Ferro, o Gavião Arqueiro e o Visão. Aluguei muito esse jogo quando pequeno.

    • War of Gems e xmen Mutant apocalypse vão aparecer em breve…

      esse do Capitão eu cheguei a zerar, mas é MUITO RUIM!!! XD

      "The… AVEEEENGERRRS!!"

  • RobsonCC 5 anos atrs

    Caramba adorava esse jogo, ainda mais porque eu ainda lia homem aranha nesse época.
    Hehe alugava ele sempre que eu podia.
    Mais uma ótima coluna para nosso querido Fenix Down.

    • Eu era maluco pelo aranha na épica o jogo, mas minha mãe não me deixou ler a HQ na época por causa do nome: CARNIFICINA Total… =/

      Fui ler agora, pra matéria, hehehehe

  • kleber 5 anos atrs

    Muito bom esse jogo pena que é muitoooooooooooooo treta de zerar ele viu cheguei muito longe nele pelo que me lembro o stagio era numa floresta ou um parque que vinha varios inimigos .

  • Budha OAK 5 anos atrs

    Caramba!!!
    Muio boa a ideia da coluna!
    o Maximum Carnage juntamente com o Separation Anxiety foram , sem sombra de dúvidas ,os beat 'em ups que eu mais joguei no meu saudoso SNES!
    Ambos os jogos foram responsáveis também pelo meu interesse por hqs ,que comecei a ler pelos gibis do Homem Aranha!

    • E o mais legal é que as HQs são meio que "interligadas"… os simbiontes que aparecem são "filhos" do Venom!

  • Drugue 5 anos atrs

    Excelente a ideia da coluna e claro a coluna em sí também está muito bem executada.
    Maximum Carnage foi a primeira HQ que eu comprei e li do Cabeça de Teia e exatamente por isso tem um lugar especial na minha coleção e também por isso esse jogo foi um dos que mais joguei e mais apanhei.
    Mas mesmo assim eu curti MUITO o game principalmente por ter esse visual bem HQ mesmo, sem tentar inventar muito. Tai, agora vou ter que jogar ele de novo…rs
    Vlw e parabéns pela coluna!

  • O legal do visual do jogo nas cutscenes é que eles unificaram o traço: a HQ é desenhada por uns3 desenhistas diferentes, e no jogo é um traço só!

  • Daniel Avelan 5 anos atrs

    A história desse jogo resume o porquê do fracasso comercial das HQs nos anos 90.Mas cara,para um jogo de megadrive não podia/nem devia pedir por algo melhor

  • Tohno Shiki 5 anos atrs

    Pelo menos dos anos 90, eu não vi nenhum jogo baseado em alguma coisa do Liefeld (menos Deadpool me Marvel vs Capcom 3)

  • mcsundaeguy 5 anos atrs

    Existe um demo de PC para o que poderia ter sido um jogo dos youngblood, PENSE numa coisa detestável. Haha

    Quanto a coluna, GRANDE ideia! material é que não sobra, esse mês mesmo ainda saiu jogo dos x-men. sem contar todas aquelas de adaptações game de filme de hq e… pensando melhor, concentre-se com os jogos bons. ;D

    A trilha desse jogo é memorável, não colocaria junto as grandes trilhas do super nintendo mas… existe um medley da 8 bit instrumental. Woo~hoo.

  • inominavel 5 anos atrs

    Esse jogo me fez ter vontade de jogar o controle na parede!! aquela fase de escalar o prédio e tem uma vaca lá no topo dele jogando raios e o contra parte aranha enxendo o saco…putz,…. porque me lembrei disso!