E vamos voltar as atividades normais aqui no Gamics! Como passaram de Ano-Novo? Eu passei trabalhando (-_-)….

Como dito na última coluna, voltaria a falar de uma HQ baseada em game- sendo assim, apresento-lhes o mangá de Kingdom Hearts, explanando sobre como acho que essa franquia funciona muito mais como mangá do que como game!

Adaptado por Shiro Amano em 4 volumes (eu li o primeiro), Kingdom Hearts conta fielmente (para o bem e para o mal) a história do game. Com um traço realmente muito bonito- mesmo os pesonagens da Disney, tão bem conhecidos por nós estão bem trabalhados, mantendo a fidelidade ao original, mesmo com algumas liberdades artísticas. Os personagens da Square são lindos, com um visual (vejam bem, visual) bem carismático, não sofrem a influência de Tetsuya Nomura que se esperaria num trabalho desses.

Agora sobre minha afirmação, devo dizer que o game (ao qual só joguei o primeiro) tem um clima de anime/mangá muito forte. Talvez seja intencional, talvez não, a história de KH é um crossover de universos que teria sido mais bem explorado nessas duas mídias do que em games (em que as convenções de mercado/ideias malucas/vontade de ganhar dinheiro fácil atrapalham no desenvolvimento artístico do jogo), além de ser extremamente japonês.

E quando digo “japonês”, não me refiro a bizarro, mas sim algo singelo. Inocente até.

A história de amizade de Sora, Riku e Kairi é algo típico japonês, com aquela cultura de sempre unidos, nunca desistir- devemos lembrar também que o público de KH é um público infanto-juvenil, onde esses temas são recorrentes na cultura pop nipônica, uma vez que faz parte de toda a cultura japonesa- por isso nós ocidentais não entendemos (ou não queremos entender) tais nuances. E talvez seja por isso que achei o mangá tão mal executado.

Vejam bem, os desenhos são ótimos, mas a história é extremamente oca! Você termina os capítulos muito rápido, não há um aprofundamento nos personagens. Isso o game leva tranquilamente, mas acredito (e é aí que entra o meu ponto) que seja culpa da (in)cultura ocidental (o mangá foi eitado nos EUA, pela editora TokyoPop) em compreender certas nuances do ponto de vista japonês de amizade, amor e superação, dando mais valor as batalhas (pelo menos neste primeiro capítulo) do que necessariamente a como os personagens se unem, e por que lutam bem juntos. Tal qual o jogo, eles apenas se entrosam e pronto, como um script de ações típicas dos jogos.

Os personagens de Final Fantasy que aparecem neste primeiro volume em nenhum momento demonstra o interesse ou a personalidade carismática que nos fez gostar tanto deles (talvez apenas o Cid), e a relação de “traição” de Riku já é quase explicitada desde o início, sendo este (mais uma vez) algo rápido, sem sal e sem o principal: a profundidade necessária para nos importarmos com os personagens- a sensação que tenho é que ele é exclusivamente para os fãs da serie, mas especificamente aos fanáticos por Disney ou Square, que absorveriam este produto mais como um “guia” do que necessariamente uma adaptação para mangá da saga. Quem não é fã vai continuar não sendo, e nem os personagens Disney chamaria a atenção do público leigo em games.

Mas ainda acho que Kingdom Hearts funcionaria em mangá, desde que feito inteiramente por japoneses, sem as mãos “massaveísticas” dos editores americanos. É difícil não ver cenas como esta abaixo lembrando que nem uma CG disso tem, e não imaginar como ficaria em um anime (seja em computação gráfica ou da forma tradicional mesmo):

E é isso aí, galera! Um post não tão gigante como os outros, mas mostrando mais minhas opiniões do que necessariamente um “documento trololo” dos games de quadrinhos! Aguardo seu comentário aí embaixo, hein?

Até mais!

Escritor frustrado e viúva da Sega, acho que sou o único que gosta dos amigos do Sonic (até mesmo aquele gato estranho do Adventure 2).

Facebook Twitter YouTube 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

22 Comentario(s)

  • Ogro Himself 5 anos atrs

    Ja tentei um punhado de vezes, mas nao consigo gostar de Kingdom Hearts

    • killer-hd 5 anos atrs

      2
      vejo videos e fotos e o Hype cresce mais ao jogar o desanimo vem rápido, e olha que eu terminei
      o primeiro, mais não vai tem coisa muito melhor !

  • Nickolas Daniel 5 anos atrs

    Gosto muito da serie Kingdom Hearts.
    Não tive a oportunidade de ler o mangá todo, mas eu tive a impressão que o mangá tem um ar muito mais infantil que o proprio jogo.
    Tirando isso, otimo texto Diorod!

    • Valeu, cara!

      O esquema é esse mesmo: é realmente um pouco mais infantil, mas não muito… Mas com certeza é mais para os fãs da serie!

  • Kleber_klr 5 anos atrs

    Não tinha jogado Kingdom Hearts porque me parecia um jogo infantil…. mas no finalzinho do ano passado criei coragem e joguei o 1 e não me arrependo. Apesar de ter os seus problemas a jogabilidade é muito boa e a história prendeu minha atenção. Já do 2 eu gostei menos, talvez por ter jogado logo após ter terminado o 1 já que fiquei super curioso sobre a história. Achei um pouco mais fácil que o primeiro e alguns mundos, como o da pequena sereia, são bem chatos. Agora vou jogar algum outro jogo antes de jogar o 358/2 Days e o Birth by Sleep. Já o mangá eu só leria se ouvesse algo a mais para se descobrir sosbre a história. Um anime eu com certeza acompanharia.

  • Kigdom Hearts é uma das séries que eu achei que podia dar tão certo que nunca me arrisquei a jogar, estranho? É, eu sei, mas eu explico, cresci assistindo os filmes da Disney e jogando RPGs da Square a torto e a direito, e um jogo que uniu esses dois universos parecia um sonho, tanto que foi passando, passando e eu acabei não jogando. Preciso comprar um PS2 e jogar os primeiros para depois ir avançando na série, mas comentando o post em si, eu acho que Kingdom Hearts é BEM Japones MESMO, mas é essa levada mesmo que a maioria das coisas tem no Japão, então é aceitável, o mangá eu fiquei esperando pra ler, disseram que ia sair a versão nacional e eu sinceramente ainda não vi, quem sabe um dia sai.
    O texto ficou excelente como sempre!

    • ixi…espere o HD collection… ou vc acha q nao vai ter um?

      • Squallnathan 5 anos atrs

        Pela Squenix acho que até teria mesmo. Mas acho que a Disney tb tem que aprovar. Que eu me lembre, o BBS não saiu na PSN pq a Disney não quis, ou coisa parecida.

        • A Disney tem um grande protecionismo com as obras dela, é só ver a tão falada moratória que ela impõe aos títulos mais vendidos e provavelmente por isso não quis que o jogo fosse lançado via PSN, acredito que ela veja isso como uma forma de "evitar" a "pirataria". Mas acredito que uma HD collection tenha a possibilidade de ser lançada sim.

          • Squallnathan 5 anos atrs

            Sim, sim. Odeio essa moratória. Finalmente, depois de sei lá quantos anos, consegui ver o Rei Leão de novo.
            Mas tomara mesmo que lancem HD collections de KH. Eu compraria. =)

      • Capaz de ter mesmo, mas até lá dá pra ir jogando no PS2 né? Fora que com um PS2 rola de jogar outros games que ainda não ganharam uma HD collection.

    • Quase a mesma história que eu. No meu caso eu pulei a geração PS2/GameCube/Xbox e só tô voltando agora com um PC descente, então acabei perdendo muita coisa que eu queria ter jogado =P

      • Tamo junto então… Também pulei a geração PS2/GC/Xbox e voltei ano passado com o PS3, perdi muita coisa, mas estou afim de correr atrás do tempo perdido.

  • Squallnathan 5 anos atrs

    Comecei com KH pelo jogo que as pessoas mais odeiam, o Chain of Memories, no GBA. Gostei bastante do jogo, mas como não tive o PS2, corri atrás dos mangás. A história nos mangás parece mesmo ser mais superficial do que é mostrada no jogo. Mas ainda assim, gostei deles, o traço é mesmo muito bonito, tanto que comprei as edições americanas de KH1 e CoM da Tokyopop. Uma pena a editora ter falido antes de terminar a publicação de KH2. =/

  • propondo um desafio ao Diorod:faça um post explicando como seria um jogo do Celton(revista em quadrinho independente feita por um maluco em BH),explicando a relação entre a história e os personagens do jogo aos da HQ e porque o tipo de gameplay funcionou(ou não) para o protagonista.Se quiser,eu te envio os números que tenho

    • Se eu tivesse entendido do que seria essa fita, eu até faria! =P

      Serião, cara, não entendi mesmo! XD

  • Grandmaster Meio 5 anos atrs

    Squallnathan, o jogo mais odiado sem dúvida deve ser aquele Re:Coded

    DioRod, os mangás de KH são bem vazios mesmo, eu li algumas edições dos principais (KH1 e KH2) e não gostei nem um pouco. A única coisa que achei interessante foi o teor das piadas, o humor é bem diferente do de KH. Alguns exemplos:
    – Quando Sora chega em Traverse Town, uma "dama da noite" diz que ela pode mostrar a cidade a ele, se ele quiser. Ela tem uma morte horrível logo depois, mas a piada é que o Sora entende o que ela quis dizer.
    – A parte mais nonsense sem dúvida é no começo do mangá do Chain of Memories. Você fica uns 5 minutos se perguntando do que diabo Sora e o Unknown estão falando, e se a pessoa que escreveu isso estava sóbria. Só lendo pra saber.

    Eu comparo o mangá de KH ao mangá de KOF. É um pior que o outro. Li todos (o mais conhecido por aqui deve ser o KOF Zillion), até os Capcom VS SNK, SNK VS CAPCOM. Sinceramente, passem longe.

    • Pra vc ver, mano! Normalmente adaptações de games em HQ não são boas…

      Agora daqui quinze dias falarei de um mangá FODA!

    • Squallnathan 5 anos atrs

      Realmente. Tinha me esquecido dele. Mas o CoM tb está longe de ser o preferido da maioria. O que mais vejo criticarem é o sistema de cartas, que pra mim até funcionou bem no GBA.

  • Grandmaster Meio 5 anos atrs

    Continuando o post acima, creio que os mangás que mais chegaram perto de ter algum sucesso, de jogos, foram Street Fighter e Breath of Fire 4. Tem tanta coisa do mangá de SF que foi pra série principal que nem dá pra citar tudo de uma vez, então lá vão algumas:
    – Sempre pensaram que o Bison era careca. No mangá aparece ele com cabelo, e ele tem aquele corte estilo militar. No Capcom VS SNK 1 até zoam com isso, a provocação do Bison é tirar o quepe e passar a mão no cabelo.
    – A Karin Kanzuki veio do mangá da Sakura (Sakura Ganbaru!, eu acho). Além disso, a relação entre Sakura e Dan, e Dan e Blanka, também vem daí.

    O mangá de Breath of Fire 4 ainda está sendo publicado, mas ele segue bem à risca a história, cortando algumas partes desnecessárias. Tem uma certa pitada de humor, mas não vai muito longe.

  • Engraçado que boa parte dos haters de KH abomina o game pelo simples fato de misturar dois universos bem distintos… e ignora todos os outros aspectos do jogo. E achei interessante esse mangá, apesar do tom adotado não me interessar tanto, é bem competente na proposta. Mas tenho certeza que KH ficaria perfeito num mangá de porradaria (shonen), pois apesar das bizarrices roteiristicas e visuais do Nomura, o cara sabe dirigir porradarias e criar monstros/rivais cativantes como ninguem XD