Olá pessoas e bem vindos a mais um GamerDivã! Dessa vez iremos complementar a série sobre Mundinho dos Games Parte 1 de personagens!

Inspirado no artigo “O pixel da maldade” de Afonso Solano, dessa vez discutimos sobre maneiras de preencher personagens vazios. Como dar personalidade a um personagem? Como preencher com sua personalidade? E ainda mais, como trazer a interpretação para os games?

Confiram já e participem do desafio proposto!

Para enviar seu conteúdo, comentários, sugestões, críticas ou elogios mande um e-mail para contato@fenixdown.com.br.

Não esqueça de seguir nosso twitter @fenix_down, se inscrever no nosso canal no youtube, dar jóinha no vídeo, deixar um comentário e divulgar o vídeo!

Links:

Fernando X de Megaman X! Não de pornografia ou de Xuxa!

Facebook Twitter YouTube 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

55 Comentario(s)

  • Samurai 4 anos atrs

    ou seja os seus personagens são sempre sociopatas psicopatas???

    • FernandoX 4 anos atrs

      não! os seus são elfos que dormem o tempo todo, os meus são normais
      =P

      • Samurai 4 anos atrs

        nah… faz tempo q não pego elfos em qqr jogo… mas eu costumo dar uma personalidade própria pra cada um eu não quero ser "eu" em todo lugar… apesar de sempre usar o mesmo nome…

  • Cara eu tenho essa edição
    vem uma caneta escrota que imita uma seringa q vc ganhava do seu pediatra, uma caixa de ferro imitando uma embalagem de zombrex mas o mais legal é q vem uma minisérie completa em um DVD que saiu antes do jogo

    detalhe é que saiu mais barato do q a versão normal então chupa essa!

  • happyjoin 4 anos atrs

    Eu sou a garota do fichário btw. ;o

  • Mister_I 4 anos atrs

    Fernando Fanho ???

  • Quando bati o olho no banner achei que era uma foto do Agostinho Carrara.

    Eu também tenho um bonequinho do Luffy igual, mas a cor da roupa é diferente.

    • ogrokun 4 anos atrs

      AGOSTINHO CARRARA X

      UHAHUAUHAUHAUHAUHAUHUHAUHUHA lolei

    • Hadjin 4 anos atrs

      Agostinho carrara UHAHUAUHHAUAUHAHUHAUAUHAUHAUHAUHAUHUAHAUHUHAUHA AI CARALEO HAUHUAHUAHUAUAHAHUAHUAUHAHUAHUAHUAHUAUHAUAUHA LOOL

    • FernandoX 4 anos atrs

      PORRA, NAO FODE
      HUAHUSAAS

    • kim_martins 4 anos atrs

      Caraca, parece mesmo mermão O__________________O

      HAUHUHAUAHAUHAUAHAU XD

    • FahbioZero² 4 anos atrs

      Realmente o Fernando ta muito pilhado na foto do banner da coluna hahahah

  • ogrokun 4 anos atrs

    Fez a barba, graças a deus

  • pedrohenri 4 anos atrs

    Fernando, pensa "Ó" e abaixa a música. Em muito momentos a trilha cobriu a sua voz e ficou complicado de prestar a atenção. haha

    Impressão minha ou ficou um pouco saturado o video?

    Fernando, deixa a barba, ela é a sua melhor desculpa para a cara feia.

    Sim, eu só vou criticar negativamente! hhaha

    Tá, o artigo/crônica do Solano está muito bem escrito.

    Brinks, just for the lulz!
    Eu faço como vocês, preencho o meu personagem com a minha personalidade. E sempre busco o lado "paragon" e sempre que sou "renegade" não me sinto lá muito bem.
    Achei essa experiência de não ser você nos RPGs uma ótima, mas até que ponto conseguimos desvincular a nossa personalidade da personalidade criado para aquele personagem!? Fica a pergunta.

    • FernandoX 4 anos atrs

      é tentar pra saber neh! não sei até onde daria pra aguentar, mas seria o papel do RPG, ou seja, interpretar um personagem não sendo necessariamente igual a vc

      acho que dá sim!

      • Mister_I 4 anos atrs

        Vamo usa o exemplo do Mass Effect 2, no final do DLC Overlord vc conseguiu ser renegade ???

        Spoilers: http://www.youtube.com/watch?v=evu5WdUMN5I

        Eu também tento criar um personagem ao invés de ser eu mesmo, Eu era quase sempre renegade, Mas essa cena…
        Tô fazendo um "teste" agora. Comecei um Novo Jogo no ME2 e editei o Save pra que eu fique 100% Paragon/Renegade desde o inicio do jogo, e até agora tem sido bem satisfatório.

  • Eu queria comentar algo legal sobre o vídeo, mas a música do Braid no fundo me deprimiu. =*

  • Hm…

    Bom, prefiro realmente personagens que ao menos apresentam um ponto de partida para uma personalidade, como o Shepard. Considero muito mais interessante mostrar ao jogador, ou deixá-lo escolher, um ponto de partida que se ramifica em personalidades diferentes. O Hawke do Dragon age 2 (lixo dos lixos do RPG) possuía uma personalidade básica legal que poderia ser desenvolvida. Meu personagem favorito nessa linha é o Geralt, que possui uma personalidade pronta, mas é tão complexa que permite ao jogador que tome leques imensos de decisões sem desrespeitá-lo (estou falando principalmente do 2, no 1 ainda havia a amnesia…)

    Jogando assim, raramente penso em "o que eu faria?", mas sim em "o que ele faria?" baseado nos preceitos de personalidade que possuo.

    Jogos como Fable, Reckoning, Elder Scrolls e outros RPGs básicos, geralmente não me atraem a fazer role play justamente por apresentarem personagens COMPLETAMENTE em branco. Lógico, posso criar uma personalidade de minha autoria, mas como ela se justificaria partindo do início do jogo? Costumo simplesmente criar um personagem com algum grande conflito existencial que infelizmente nunca poderá ser desenvolvido, pois o jogo não me dá a oportunidade de em momento algum escolher meu passado e minhas ambições…

    Há somente uma exceção até o momento: Echo Bazaar.

    Em EB fiquei extremamente intrigado no momento em que me foi perguntado "qual sua ambição?", que após alguns dias foi seguido de "o que você deixou para trás?", "alguém o espera na superfície? quem?", "por que fez isso?" e daí por diante. EB é realmente um jogo que se importa em oferecer ao jogador o estímulo de fazer role-play, sempre dando diversas opções que respeitem sua personalidade e, é claro, status de "desenvolvimento psicológico".

    Assim criei meu colecionador de segredos (e de conhecimentos mais profundos e sinistros) melancólico, magnânimo, sutil e atormentado pelas traições de seu passado e pela morte de seu irmão.

    Um amigo costumava fazer role-play em WoW… o que me leva à minha pergunta a todos vocês: e os MMOs? Algum de vocês faz role-play em MMOs? A série TOME, do newgrounds, tem um personagem excelente para satirizar isso: NYLOCKE, dragon of some random shit!!! Wooosh.

    • FernandoX 4 anos atrs

      nao joguei o Echo Bazaar e não conheço o jogo, vou buscar sobre ele!

      acho que personagens vazios são bons pra gente dar um background para justificar suas ações no jogo, e não que o jogo iria resolver seus conflitos. para isso vc deve pelo menos conhecer algo sobre onde se passa o jogo (tipo no Skyrim, fingir que é de alguma cidade ou então tem alguma treta com dragões e tal). é MUITO complicado que o jogo ofereça ferramentas customizáveis o bastante para você definir um background e ainda ter ligação com a história, a não ser que limite a uns 4 ou 5 itens.

      jogos como ME e The Witcher tem uma ferramenta legal para isso. Você pode fazer escolhas que moldam sua personalidade. Pessoalmente não gosto muito do sistema de bem ou mal (com já disse em um gamerdivã) mas também as vezes é bom ficar transparente para o jogador o que sua opção significa.

      e agora em MMOs… nunca fiz role play em MMOs, sempre fui só fazendo missões pra upar mesmo! acho que é o tipo de jogo que menos me envolvo EVER

      ahuahuaha

      • Personagens vazios me incomodam muito geralmente, depois do Echo Bazaar comecei a achar que é pelo fato dos jogos não reagirem ao background que crio. Echo Bazaar REAGE ao background criado, dá ao jogador muitas ferramentas para criar seu background e aplicá-lo ao jogo. Por ser um jogo em texto isso fica mais fácil, mas também espanta muitos novos jogadores.

        Gosto mais do The Witcher exatamente por não levar em conta bem/mal ou qualquer uma daquelas barrinhas de karma que a bioware adora.

        Ei, Fernando! Se for testar o Echo Bazaar te mando um invite pelo twitter, garante alguns bônus no começo. (assim continuo minha cruzada para disseminar EB, mwahahahahaha =P)

  • Fico HONRADO e feliz de ter inspirado o GamerDivã #34, amigos! Muchas gracias. ;)

    @bração pro Fernando X e procêis tds!

    • FernandoX 4 anos atrs

      Belíssimo texto o seu do artigo! Além de ter uma bela história me fez pensar em modos diferentes de jogar! =)

      Eu que agradeço!

    • vlw Affonso!!! Nós que estamos honrado com seu comentário =D

  • Falar procê que eu normalmente não crio uma história pro personagem antes de jogar, principalmente por que normalmente você não conhece o mundo do jogo e não tem como saber o que vai acontecer, então eu normalmente apenas decido pelo lado negro ou não e vou seguindo esse conceito inicial até o fim, a única coisa que me faz mudar é no caso de algum evento no jogo ser realmente marcante e me marcar o personagem ou eu mesmo, exemplo, em inFamous eu decidi ser uma pessoa boa logo no começo, achei que não era só por que eu tava ganhando poderes que eu devia me aproveitar disso e então quando eu limpei os bandidos, resolvi dividir a comida com o povo(primeira decisão que você tem que tomar no jogo) ok, to eu lá morrendo de fome, super poderoso e fui legal, dividi a comida e como o povo me paga isso? Tacando pedras em mim só por que eu sou diferente, na mesma hora eu fritei uns 3 ou 4 e falei: "Quer saber, se eu que ajudo vocês vocês fazem isso então eu vou ganhar meu respeito na base do medo!" e foi o que eu fiz na primeira jogatina, agora to jogando de novo só pra platinar.
    Mas voltando ao assunto principal a ideia é bem bacana mesmo, tentarei fazer isso no próximo jogo com um char vazio que tiver… Vlw!

    • FernandoX 4 anos atrs

      realmente, sem saber a história é meio difícil
      mas talvez sabendo um pouco do background daria pra montar algo. tipo infamous, pode decidir se vc seria alguem que aceitaria os poderes ou não aceitaria (pensando assim por alto neh) e agir de acordo com essa opção
      claro, não precisa ser preto ou branco tb, pode ser cinza, fazendo escolhas para ambos os lados! e também mudando de opinião, como vc mesmo fez =P

      • É, sabendo um pouco do BG ai fica facil criar um char, tipo, pro inFamous 2 mesmo eu vou seguir com meu char malvado, caso algo me faça mudar eu até mudo, mas no momento é bacana ser malvado…rs

  • Achei muito maneiro essa ideia. Já me passou pela cabeça fazer essa interpretação e acho que seria interessante, porém a culpa das pessoas não fazerem isso pode ser dos próprios desenvolvedores. Geralmente quando um personagem de rpg é inserido pouco se sabe da história dele antes, como se ele tivesse nascido momentos antes do jogo ser iniciado (inclusive tem um jogo que utiliza muito bem esse clichê, um jogo da franquia Star Wars que eu prefiro não falar qual para não estragar a experiência). Você não tem uma espaço na ficha de um personagem de rpg eletrônio para colocar o passado do personagem, mas no rpg de mesa é algo quase que obrigatório você criar um passado do ser char.

    Sobre o mundinho em geral, cara eu acho que essa questão está sendo muito supervalorizada pelo MRG. Na realidade virtual tem 3 princípios básicos que são a imersão, a interação e o envolvimento. Para mim esse são os tripés de jogos com história (nem todo jogo bom precisa ter história) e não acho que um é mais importante que o outro.

    • FernandoX 4 anos atrs

      mas também abrir um espaço para "decidir seu passado" meio que pode limitar sua interpretação. vejo o personagem vazio sem passado como uma chance pra gente mesmo preencher essa lacuna com nossa história. claro, não vai influenciar na história do jogo em si, mas afetaria o modo que você joga ele

      e o mundinho dos jogos acho que esses seus 3 princípios básicos dependem de coisas como personagens, histórias, ambientação, etc. então não sei se dá pra resumir nesses tópicos, já que se dividem tanto

      • Como você vai interpretar alguém se você não sabe o que aquela pessoa viveu? Nossas personalidade são produtos do meio que vivemos.

        Os 3 princípios que eu coloquei são teorias de pesquisa sobre realidade virtual. Com esses 3 princípios no máximo, o virtual seria muito parecido com o real.

        • FernandoX 4 anos atrs

          ai que está utilizar jogos que tem personagens vazios! eles já não tem backstory que influencie na história! você pode preencher e agir de acordo com isso

  • FahbioZero² 4 anos atrs

    Todo mundo tem o seu Dark Side, não adianta. Por mais que alguém tente sempre fazer tudo certinho, as vezes tu da uma derrapada e acaba fazendo uma coisa fora do ser "bom" no jogo.

    Ai que ta a graça dos jogos, pode fazer coisas que na vida real a gente não pode. E não deve né!

  • Diego Snake 4 anos atrs

    De quem foi a ideia de colocar a foto do Pedro Cardoso no Banner? hahahahahah

  • Colocaram o ABED no banner!

  • Rafael_Henrique 4 anos atrs

    Fernando, diminui um pouco o volume da musica de fundo do video, as vezes ela atrapalha pra ouvir vc falar.
    Valeu mate.

  • Eu jogo rpg com personagens criados. Em geral, jogo com um homem paladino heróico (cornetas!) e com uma personagem feminina muito maligna. As vezes é com o maligno me divirto mais, e como acho tão diferente do que eu reagiria naturalmente, que jogar com mulher me faz ser mais criativo. Claramente não é o que eu faria. Exemplo? EU EXPLODI MEGATON! HAHHAAHHAHAAHAH