Olá pessoas!

Hoje na Gamics vamos falar de mais um beat’n’up (é, esse gênero permeia os games de HQs) de um grupo de heróis do “fantástico universo” da Image Comics, editora criada por várias mega-estrelas das HQs como Jim Lee e Rob Liefeld (é, esse cara era uma “estrela” nos anos 90). Hoje em dia, a editora é mais conhecida por dar chances a artistas mais independentes, entre eles os criadores de Walking Dead (que nem precisa de apresentações), HQ que também recebeu adaptação para os games recentemente.

Mas não vamos falar dele. Falaremos hoje de uma das primeiras “obras” da editora em sua origem. Pelo menos não será de Youngblood ou Cyber Force/Striker Force, que nem saíram jogo. Vamos falar de Jim Lee’s Wild C.A.T.S.

Lançado em 1995 por alguns estúdios bizarros, mas surpreendentemente com trilha do estúdio de Tommy Tallarico (é, aquele), o jogo é uma porradaria em que você controla o super grupo Wild C.A.T.S. (Cover Action TeamS), a versão Image dos X-Men. Como mencionado, o gênero é o básico do Beat’n’Up em que nossos heróis saem na porrada com os Demonitas, raça de alienígenas/demônios liderados por Helspont.

Básico, né? Mas vamos ao que já é de praxe aqui e apresentar os personagens:

Spartan (Espartano)

Líder dos WildCATS, Spartan é um androide super poderoso, tendo semelhança com um herói de guerra alienígena, que a princípio não tinha emoções, mas que ao longo da trajetória dos heróis começou a demonstrar sentimentos para com a voluptuosa Voodoo (um dos símbolos sexuais da editora na época).

Além da tradicional super força, Spartan tem a capacidade de voar (mas não por muito tempo, pois suas baterias acabariam), poder de projeção de energia e um “super backup” em caso de destruição de seu corpo.

Warblade (aqui ficou Warblade mesmo)

Esse é o Wolverine da Image (na verdade, tem clones do Warblade entre os personagens da editora, mas enfim). Reno Bryce teve seus pais mortos por um Demonita, e jurou vingança, treinado arduamente artes marciais por um longo período. Foi sequestrado por uma organização e submetido à lavagem cerebral (cof, cof…Arma-X cof, cof…). Após quase ser morto por Ripclaw, foi encontrado e recrutado para os WildCATS.

Seus poderes são uma mistura de T-1000 (do Exterminador do Futuro 2) e Wolverine: garras e lâminas projetadas a partir de nanotecnologia.

Maul (Marreta… é, Marreta)

Jeremy Stone é um doutor com a capacidade de aumentar sua massa muscular a níveis absurdos. Porém, quanto maior ele fica, mais burro se torna. É bem uma cópia do Hulk, na verdade. Após alguns anos de histórias, ele descobriu que podia fazer o processo inverso: aumentar sua inteligência diminuindo sua massa corporal.

O conceito do personagem é bem interessante, mas não deixa de ser cópia do Hulk!

 

Completam o time o mercenário Grifter, a guerreira imortal Zealoth, a teleportadora Void e a stripper Voodoo (é, ela era uma dançarina stripper).  Apesar da extrema originalidade dos personagens e do universo em si, o super grupo fez sucesso, e hoje alguns de seus integrantes fazem parte do Universo DC.

O jogo na verdade é bem genérico. Apesar dos sprites serem bem grandes na tela, a qualidade da animação e a jogabilidade são meio travadas. A falta dos outros personagens combativos também não ajuda a deixá-lo mais interessante, mas a resenha vale mais pela curiosidade do que necessariamente mostrar jogos sempre bons pra caramba (afinal, estamos falando de muita coisa dos anos 90, né?)

Então é isso aí galerinha, espero que tenham gostado e até daqui quinze dias!

Escritor frustrado e viúva da Sega, acho que sou o único que gosta dos amigos do Sonic (até mesmo aquele gato estranho do Adventure 2).

Facebook Twitter YouTube 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

17 Comentario(s)

  • Caramba, como eu gostava de Wild C.A.T.S. na minha adolescência! Lembro que meu nick no chat do UOL (NUSSS!!!!) era Espartano por conta do personagem do time.

    Revendo tudo isso com alguma bagagem nas costas me faz pensar muita coisa…

    • Cara… dessa safra da Image nessa época, eu gostava bastante de WildC.A.T.S.

      Mas revendo hoje era bem ruinzinho…

  • Ogro Himself 4 anos atrs

    Caralho, essa droga tinha jogo?

  • Bruno 4 anos atrs

    Caramba, eu joguei esse jogo…eu aluguei ele, mas tava com problema e travava na terceira fase.
    E só pra não perder o costume…MALDITO LIEFELD

  • mcsundaeguy 4 anos atrs

    Youngblood não tem jogo LANÇADO. xD
    existe aquela famigerada demo do jogo de PC que ia acontecer, tão terrível quanto se espera das HQs de grupos genéricos do Liefeld.
    Also, só mulheres tem pupilas nos olhos, dentro na cabeça do liefeld? @_@

  • Puts, Wild C.A.T.S. eu curtia pakas hein…rs Mas acho melhor nem ver se passa da regra dos 15 anos né? Lia as Hqs quando era criança e desde sempre achei o Grifter e o Maverick um tanto quanto parecido, sou só eu?rs

  • Acho que dessa safra o único jogo que (quase) se salvava era o do Spawn para SNES (joguinho difícil da porra)… se não me engano ia sair pra PC um jogo do Youngblood em visão isométrica bem parecido com Baldurs Gate, chegou a sair algumas imagens na Wizard americana mas acabou sendo cancelado. Faltou falar do anãozinho charuteiro que liderava o grupo ein Dio, de resto ótima matéria saudosística.

    • Verdade! Era Emp, se não me engano.

      Um Bruce Wayne anão! heuaheuaheuahe

      E o jogo do Spawn é uma BOSTA! HEUAHEUAHEUAEH

  • Poisony 4 anos atrs

    Nossa, sou um ignorante mesmo em quadrinhos. Sempre achei que WildC.A.T.S. era só o desenho e esse joguinho de SNES. Aliás, note que a música da tela de abertura quando mostra os personagens é a mesma do desenho: http://www.youtube.com/watch?v=gtSPJZ-qlhA

    E falando em ignorância e na música, não sabia que era trilha do Tallarico. Deve estar entre os trabalhos que ele esconde, tipo um "Color a Dinosaur", hahaha.

  • Tohno Shiki 4 anos atrs

    TRABUCOS E MASSA VEIO bem vindo aos anos 90 da Image, o legal do jogo que pelo menos eles tem pés normalmente o Jim Lee esquece desse pequeno detalhe, enquanto o Liefeld desenha dois pés direitos o Kurumada desenha dois pés esquerdos.