Olá pessoal, sou o Marcos Henrique,  já colaboro com o Fênix Down há algum tempo e pra mim é um prazer estar trazendo quinzenalmente a Checkpoint, uma coluna baseada em listas com itens comentados, sempre baseada no universo dos games. Estamos a disposição para críticas ou sugestões.

Como todo bom brasileiro, jogos de futebol sempre fizeram parte da minha vida gamística, mesmo antes de existirem títulos realmente bons na categoria (o primeiro realmente matador foi o clássico International Supertar Soccer).

Como só os fortes sobrevivem, hoje a disputa está polarizada entre as franquias Pro Evolution Soccer, da Konami (que durante muito tempo reinou absoluta, mas que nos últimos anos sofreu uma brusca queda na preferência) e FIFA, da EA Sports, que hoje é um dos maiores fenômenos de vendas do ano, não só como jogo de esporte, mas de maneira geral.

De maneira bem neutra (eu havia migrado para o FIFA desde a versão 2010), listarei a seguir alguns motivos para o fã de games de futebol em geral prestar atenção no PES esse ano:

1º – Evolução em relação ao ano anterior 

Depois de perder algumas boas horas nos dois jogos, é notável a evolução do Pro Evolution em relação ao ano anterior. E o melhor de tudo é que a maioria dessas mudanças tornaram o jogo bem melhor. Um novo sistema de marcação deixou o controle da defesa bem mais intuitivo e preciso, amenizando muito a mecânica automatizada das edições anteriores.

A velocidade do jogo claramente foi reduzida, fato que permite que o jogador tenha um controle maior e mais tranquilidade para tomadas de decisão, e por tabela aumenta a sensação de realismo e o Player ID (feature que implementa em alguns jogadores movimentos baseados em suas atuações reais) é realmente muito bacana, jogando com o Real Madrid é possível ver claramente a diferença na movimentação do Kaká e do Cristiano Ronaldo por exemplo.

Player ID em Cristiano Ronaldo

De maneira geral, a jogabilidade sofreu um refinamento muito bom durante o último ano. O FIFA também teve alguns incrementos, mas nenhum tão evidente, a maioria apenas ajustes finos numa jogabilidade que já é excelente. Em time que está ganhando não se mexe.

2º – Sistema de jogo

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que discordo da afirmação que o PES é um jogo “Arcade”. É até contraditório ouvir isso hoje em dia, já que na geração passada o jogo da Konami era enaltecido por oferecer a melhor simulação de futebol do mercado. De lá pra cá, a base na jogabilidade do PES foi mantida, e o FIFA nas últimas edições conseguiu trazer uma experiência mais fluida e menos veloz. São vertentes diferentes, é verdade, mas é inegável que ambos oferecem uma experiência com base na realidade, seja na física em geral ou no andamento das partidas em si.

A diferença entre simulação e arcade pode ser observada claramente em duas franquias da própria Konami, o International Superstar Soccer do SNES e N64 e a série Goal Storm/Winning Eleven/ISS Pro, que começaram no primeiro Playstation.

Arcade x Simulador

Enquanto a primeira primava pela diversão, com jogadas absurdas, carrinhos malucos, gols do meio do campo com a possibilidade de colocar efeito na bola depois de chutada, bola grudada no pé do jogador e etc, a segunda veio com o foco voltado para lances e jogadas observadas na realidade. Nem precisa dizer qual das duas se mantém no mercado até hoje.

No FIFA, as partidas são centradas no passe. O coletivo sempre prevalece, e é muito mais difícil um jogador diferenciado como o Messi acabar com uma partida. Os dribles humilhantes e fantásticos estão todos lá, mas requerem comandos tão específicos que raramente algum jogador se habilita a usá-los em alguma partida realmente disputada. Um dos pontos fortes do FIFA, o sistema de colisão quase perfeito, tende a deixar o jogo amarrado na parte central do campo, enquanto os defensores quase sempre ganham na corrida dos atacantes quando esses conduzem a bola. Além disso, existem certos locais do campo nos quais parece ser impossível fazer um gol, por conta da programação do jogo.

No PES, apesar de não existir um sistema de colisão tão aprimorado quanto o concorrente, o novo sistema de defesa implementado na versão 2013 permite realizar uma marcação eficiente em jogadores muito habilidosos e rápidos, mas sem tirar a possibilidade de jogadas únicas e golaços realizados por esses caras.

Messi

Essa inclusive era  uma das maiores críticas ao jogo da Konami. Os dribles de maneira geral são mais orgânicos e é possível fazer jogadas individuais sem lançar mão de comandos muito complicados. Uma crítica ao PES nesse sentido ainda é a qualidade dos goleiros, que estão melhores que nas edições anteriores, mas ainda demonstram que se pode avançar muito mais nesse quesito.

3º – Atenção dada ao público brasileiro

Desde o ano passado, o Neymar estampa a capa do jogo da Konami para alguns mercados, incluindo o nosso. Este ano não foi diferente. Em anos anteriores, o jogo já contava com narração em português do Brasil, com Sílvio Luís e Mauro Beting, para a maioria dos consoles, além de menus traduzidos para o nosso idioma. Esse ano, além da Libertadores licenciada, a Konami trouxe todos os times da Série A do campeonato brasileiro de forma oficial, além de dois estádios nacionais (Vila Belmiro e Morumbi) representados de forma bastante cuidadosa. É evidente que o nosso mercado é tratado de maneira diferenciada, e esses são pequenos detalhes que fazem muita diferença no produto final.

Leandro Damião

A EA, apesar de alardear que prima pelas licenças, colocou o jogo no mercado com a metade dos clubes nacionais sem licenciamento, com uniformes e nomes genéricos, incluindo alguns gigantes como Palmeiras, Vasco e Botafogo (embora tenha anunciado uma atualização que irá conter essas equipes oficializadas). Para um jogo que conta com ligas da Coréia, Arábia Saudita,  Austrália e até 4º divisão de algum países, a única explicação para o não licenciamento dos times é o pouco caso com o jogador brasileiro, apesar de alguns avanços como menus e narração em português (embora o Tiago Leifert como narrador tenha mais desagradado do que o contrário).

4º – Gráficos 

Apesar de eu ter optado pelo FIFA nos 3 últimos anos, sempre admirei a qualidade gráfica do PES:

Os jogadores são muito mais bem retratados no jogo da Konami, inclusive jogadores nem tão conhecidos que jogam nos times brasileiros estão bem parecidos, o gramado e os uniformes não apresentam cores tão saturadas quanto as do FIFA, a torcida (apesar de estar longe do ideal) é bem melhor que a do rival e tudo isso contribui para uma apresentação mais convincente. A diferença fica ainda mais evidente em partidas diurnas.

5º – Ceticismo

Quando o FIFA renovou a sua engine e se transformou no melhor simulador de futebol existente, muitos estavam resistentes a mudar de franquia. De fato, temos uma tendência natural a achar que tudo o que é contrário ao que estamos habituados é ruim. O que antes foi uma barreira para a EA, hoje é um dos seus maiores trunfos. Muitos dos antigos jogadores de PES se tornaram fifeiros de carteirinha, e alguns além de ignorar a série da Konami, fazem críticas sem se dar a oportunidade de experimentar o que ela tem a oferecer. Confesso que fico chateado quando vejo discussões em que os sentimentos de fanboy se afloram e não permitem que pontos positivos e negativos sejam levados em consideração de maneira racional.

Pela primeira vez em vários anos, temos uma concorrência mais apertada por conta do aperfeiçoamento da última versão do PES. O jogo de maneira geral foi bem recebido pela crítica, embora o FIFA como um todo ofereça uma experiência mais completa em termos de conteúdo, como as licenças e os modos de jogo, além de uma jogabilidade mais definida e madura. Se a EA está numa zona de conforto nesse momento, é porque elevou e muito o padrão dos jogos de futebol, e se o Pro Evolution seguir evoluindo a passos largos, em pouco tempo poderá virar o jogo e vir a retomar a posição que ocupou por muito tempo.

O importante para nós, os apreciadores de jogos de futebol, é que nesse ano a escolha deixou de ser feita entre um jogo mediano e um jogo ótimo, e sim entre dois jogos excelentes, cada um com as suas características, suas vantagens e desvantagens, e essa concorrência tende a levar a representação do esporte à um nível cada vez maior. Os próximos capítulos dessa rivalidade prometem, rumores dão conta de que a Fox Engine de Hideo Kojima será utilizada nas próximas versões do Pro Evolution Soccer. Os fãs agradecem.

Marcos Henrique

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

28 Comentario(s)

  • GabrielVRosa 4 anos atrs

    ideia bem bacana,mas nunca vou gostar de jogos de futebol hahahaha(gosto pessoal)

  • Ogro Himself 4 anos atrs

    Na parte de graficos, nao sei porque colocaram um troll do Senhor dos Aneis no jogo …

    • Marcos Henrique 4 anos atrs

      Se o Ribery fosse um pouquinho maior, seria idêntico ao Sloth dos Goonies!

  • SeoCrispim 4 anos atrs

    Não costumo jogar futebol, nem na real e nem no video game, mas dei uma chance à coluna pra prestigiar.
    Gostei do texto e da explanação em tópicos, deixa o entendimento do assunto mais claro.
    Por vezes pensei em comprar um jogo de futebol só pra poder ter um pra jogar com amigos, e sempre que pensava nem cogitava o PES, justamente pela opinião dos diversos "fifeiros" sobre o título.
    Com os diferenciais descritos, como gráfico e o licenciamento dos times brasileiros, quem sabe eu não mude de ideia.
    O chato é jogar com o Neymar e ter que aguentar aquela comemoraçãozinha de "Ai se eu te pego" dele…

    • Marcos Henrique 4 anos atrs

      Poderia ser bem pior, teve uma votação semana passada pra escolher uma comemoração nova que vai vir na próxima atualização, e aquela do Eu Quero Tchu tava entre as opções! Ainda bem que a galera escolheu outra.

  • rafael taira 4 anos atrs

    vixi sei não ma ja vi uma coluna com o mesmo nome no site do Super Controle. Olha vcs ae plagiando eles!

    • Somos uma copia barata do nowloading, logo plagiamos tudo. So nao plagiamos o proprio nick como alguns doidoes =]

      • GabrielVRosa 4 anos atrs

        já que chegou a comentar a questão do plagio,posso "roubar" o nome da operação T.R.I.F.O.R.C.E para um projeto que estou querendo fazer?

        • Nao detemos direitos de nada…

          • GabrielVRosa 4 anos atrs

            Vou considerar isso como um sim xD

          • fazer rush de games é algo q um monte de gente faz… eu ja perdi um rush inteiro de mega man x matando maverick a maverick. Seria lançado um video por dia e o video nao capturou. 5 horas jogadas fora… dai comecei a fazer a dos robot masters com vinhetas, ficha de personagem, tava bem legal… e acabei de ver q o diorod usou a ideia -_- mas uma ideia jogada no lixo

          • GabrielVRosa 4 anos atrs

            Estou falando do nome,vou fazer um rush também,se quiser pode postar aqui no FD xD
            Mas vou esperar o diorod terminar o rush dele no megaman Porque ele disse que ia posta no gambiarra(valeu diorod :D)
            Pra quem quiser saber vou fazer um rush na serie metroid

          • Ogro Himself 4 anos atrs

            Finalmente o Diorod vai terminar um megaman classico?

          • diegogc 4 anos atrs

            Finalmente esta terminando o/

          • GabrielVRosa 4 anos atrs

            eu e o julinho do bau oldgamer(canal do YT) que demos a ideia,agora ele ta sofrendo la no megaman 1 xD
            só quero ver ele no final que é quase impossível xD

    • pedrohenri 4 anos atrs

      Claro, afinal checkpoint é uma palavra licenciada por eles. Acho que deveriam processar todas as empresas de games que utilizam a palavra deles no meios dos jogos. Puta falta de sacanagem!

  • pedrohenri 4 anos atrs

    Amaral, Tevez e Ribery brigam a tapa pela posição de cara mais deformad.

  • pedrohenri 4 anos atrs

    Muito bom!
    Parabéns pelo texto, ficou muito bom e até convincente. Vou dar uma chance ao PES antes de ir atrás do FIFÃO.

    Na questão gráficos a EA toma uma surra da Konami, conseguiram até deixar o Ribery mais bonito, e isso não é um elogio. rs xD

    • O problemq ue em um jogo de futebol o grafico tem pouco peso, já que vc vai passar 90 por cento do tempo vendo de uma camera de estadio onde esses detalhes são quase imperceptiveis.

  • Diego Domingues 4 anos atrs

    Aqui é o autor do Checkpoint lá do Super Controle! http://bit.ly/TZMF4B
    Queria deixar claro que a palavra é de nossa propriedade, assim como possuímos patente das palavras: super, controle, podcast e acho que temos algum poder sobre o "www." também.
    Ou seja, é vergonhoso ver um site como o Fenix Down copiando um título que demorei muitos muitos longos minutos para elaborar.
    Exijo retratação imediatamente, ou acionaremos os nossos advogados.
    P.S. – são os mesmos advogados da Apple! ;)
    abraços e sucesso com a nova coluna!

    • se o Erick for o advogado de vcs eu realmente vou ficar com medo…. NOT uhahuahuauha

    • Quero então ver o processo contra a Nintendo! Afinal, "Super" tá em vários jogos do Mario há mais de 20 anos!

      • Diego Domingues 4 anos atrs

        Espero do fundo do meu coração que essa resposta do Kun tenha sido irônica, pq se não, pqp! Santa burrice, batman! uhauhahuahua

        • Nem foi irônica, logo vou entrar em contato com vocês pra representá-los legalmente contra a Nintendo! (e eu nem sou advogado)

          Edit: Triste é ter que responder pra alguém entender que eu estava sendo irônico…

          • huahuahua Kun, o Diego não esta acostumado com o publico do FD huahuahua
            mas vou dizer que aconteceu algo parecido comigo no super controle… interpretei uma piada errada la tb a um tempo atrás, isso é normal quando vc está "fora de casa" =)

  • Ih, cara, vou confundir Checkpoint com o Checkpoint da PATV no meu feed D=

  • leocamisa10crf 4 anos atrs

    Conseguiram retratar muito bem a feiura do Ribery então ponto para o PES porque isso realmente é muito difícil hAUHuhUHUhaa.