Estaaaaaaaaaamos de volta ao mundo da emulação!!!

Sim amigos, a sua coluna favorita de emulação que a anos surgia no extinto NowLoading está fazendo seu retorno triunfal ao Fênix Down!

SaveState  renasceu!

A maioria dos novos leitores e expectadores do Fênix Down não era leitor da SaveState original. Então antes de publicar material inédito vamos relembrar semanalmente alguns artigos  para nivelar o entendimento de todo mundo sobre emulação.

Segue a primeira SaveState, levemente reeditada por estar meio datada. E porque hoje em dia eu escrevo melhor.

F4 e saudações! Para quem já conhece o termo “SaveState”, o tema da coluna é óbvio: Emulação. Pretendo abordar aqui quais são as coisas bacanas que encontramos em games emulados. Como computólogo que sou não posso deixar de falar um pouco sobre a parte técnica envolvida, de uma maneira informal (certamente), divertida (se possível) e compreensível (tomara!).

Partindo para o assunto da vez, quem não sabe o que é “SaveState” não deve saber o que é um “emulador”. Um emulador é um software que permite um sistema duplicar (emular) funções e características de outro sistema, de maneira que o sistema nativo se comporte e pareça com o sistema emulado. No universo dos games, um emulador permite que jogos feitos originalmente para consoles rodem em computadores e em até outros consoles!

Os componentes físicos da arquitetura do console original devem ser construídos (normalmente, mas não obrigatoriamente) em software para que o sistema nativo duplique as funções do sistema emulado. Deverá fazer parte de um emulador:

  • um simulador de CPU capaz de entender as instruções de programa dos jogos
  • módulos que contém memória, registradores e barramentos do sistema original
  • mapeador dos periféricos do sistema original para periféricos existente no sistema nativo (joystick para teclado, saída de vídeo para janela do programa, etc)

Emulação é um conceito antigo em Ciência da Computação, mas não foi tão cedo que surgiu primeiro emulador de games. Existe um custo razoável de memória e desempenho quando se joga em um sistema emulado, então não é de espantar que se passaram quase 15 anos de evoluções de hardware para o nascimento do primeiro emulador de NES!

Um emulador de console é criado através do processo de engenharia reversa do seu hardware. Como um fabricante de games não divulga publicamente a arquitetura dos seus sistemas, é através de dedução e análise que seu funcionamento é descoberto. Com a popularização da Internet na década de 90, esses nerds malucos bravos pioneiros puderam trocar informações e códigos para criar os primeiros emuladores jogáveis.

“Mas Ogro, eu tenho todos os consoles do mundo, por que devo jogar em um emulador?” – pergunta o incauto leitor.

Embora seja ilegal emular jogos cujo cartucho você não possua, existem bons motivos para que possamos curtir jogos emulados:

  • Idade: o tempo é implacável, nossos consoles velhos de guerra com milhares de horas de jogo param de funcionar. Cartuchos de Atari tem data de vencimento contada e o CD de PSX usado como porta copos se recusa a ser lido. Emulação é a alternativa barata e legal de substituir jogos perdidos.
  • Desempenho: um PC antigo ainda é muito superior a um console de gerações passadas. Isso torna possível uma experiência sem slowdown e FPS acima do original. Além disso, com uma máquina moderna dá para rodar um jogo em uma alta resolução e aplicar filtros gráficos que permitem que um jogo antigo se renove. Super 2xSAI, Super Eagle, HQnX são algumas das tecnologias de filtros que ajudam a transformar os jogos de antigamente em desenhos animados!

  • Jogatina online: Antes mesmo da XBox Live e PSN, ja era posssível jogar online em uma conexão discada. Funcionava mal, mas hoje em dia todo bom emulador funciona muito bem pela Internet.
  • SaveState: A característica mais marcante dos emuladores e que dá nome a essa coluna. Quer salvar o jogo fora do save point? Quer salvar um jogo que não pode ser salvo? Quer trapacear e vencer todos os rounds com Flawless Victory? SaveState é a possibilidade de gravar toda a memória volátil (RAM) do console emulado em um arquivo no computador. Além da óbvia facilidade em salvar seu jogo, SaveStates podem ser trocados com amigos, colecionados e até hackeados.
  • ROM Hacks: É possível alterar o conteúdo de uma ROM (a imagem de um jogo de console) para customizar seu próprio game. Com isso foi possível criar várias versões personalizadas de Super Mario World, Street Fighters de rodoviária e pedidos de casamento. Mas o que é mais interessante são as traduções de games feitas por fãs que lançaram games como Chrono Trigger em português ou Final Fantasy V em inglês anos antes da versão para PSX e GBA.
  • Mobilidade: Consoles e computadores portáteis também possuem emuladores de consoles das gerações passadas. Um PSP pode emular NES, SNES, Game Boy, Game Boy Advance, Mega Drive, Atari, Neo Geo, SCUMMVM e N64! Olha quantos vídeo games é possível ter no bolso!

Tudo isso é muito bacana, mas  existem poréns. A limitação técnica que citei anteriormente é que existe um custo em desempenho e memória para se emular um sistema; alguns consoles possuem uma arquitetura complexa de difícil emulação, mesmo usando uma máquina nativa poderosa. Além disso existe uma limitação ética e legal, já que de acordo com a legislação do nosso país é que você deve ser proprietário do software que emula, o que inclui a ROM do jogo e o BIOS do console emulado.

Embora as produtoras de games repudiem a emulação por conta do infringimento de copyright, muitas abraçaram esse conceito em seus produtos. A retrocompatibilidade dos videogames da Sony e até mesmo os games antigos relançados para consoles atuais são possíveis graças a emulação. E em alguns casos, esses produtos oficiais contém emuladores de código aberto criados pela comunidade.

Isso encerra nossa primeira coluna. Futuramente pretendo tratar de emuladores e consoles específicos, algumas das técnicas empregadas na emulação e especialmente o que é divertido fazer ao jogar via emulador. Comentem abaixo suas sugestões e críticas. F2 e até a próxima!

Computólogo, RPGista, Gamer, viúvo da Sega e Sonysta.

Twitter 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

13 Comentario(s)

  • Pocket Vin Diesel 3 anos atrs

    caraca nostálgico….parabéns pelo retorno da coluna!!!!

  • safomatetor 3 anos atrs

    "A retrocompatibilidade dos videogames da Sony" Só ai você ve que foi escrito a muito tempo, easuhseuiheasiuhesa
    eu lembro dessa coluna no nowloading, até me lembrou uma outra la que os leitores enviavam as suas histórias para o site e tudo mais e era postado la.
    Nostalgia, nostalgia (:
    Engraçado esses filtros eu não curto usar eles, eu gosto de ver todos aqueles quadradinhos quando vou jogar final fantasy VI

    • Ogro Himself 3 anos atrs

      Verdade, heheheheheh

      Mas olha, hoje em dia tu ainda pode comprar jogos de PS2 na PS Store … mesmo que nao seja midia fisica, ainda existe uma retrocompatibilidade ai … que eh atingida por meio de emulaçao

  • Muito bom, que venham mais conteúdo e dicas de configuração, caso possível.

  • Mathias 3 anos atrs

    Muito bom caras!!! Acho que não cheguei a companhar a coluna o now loading, bom
    saber que está de volta, vai ser uma boa chance de fiacr ligado nela.

  • Ae Ogro, muito bom. o/

  • Taí uma coluna da qual sentia falta! Parabéns, Ogrão!

  • Grande coluna, galera! Eu não conhecia a versão antiga, mas pretendo acompanhá-la a partir de agora, uma vez que sou fã de emulação. É a forma mais fácil de revisitar meus antigos games (os quais ainda tenho), além de conhecer novos. Valeu, abraço!

  • ricardo 3 anos atrs

    Me gusta!

    Lembro das primeiras vezes que vi emuladores e achei algo genial. Não manjo muito da parte técnica por baixo dos panos (como fazem o dump das roms e BIOS, por exemplo), mas tenho uma noção geral de como é uma arquitetura de um emulador.

    Uma vez, num fórum aí, eu queria falar de emulação e emuladores em termos mais técnicos e o porque é interessante e importante existir uma memória digital e não só física dos jogos e consoles antigos. Fui moderado. No fórum não podia falar sobre "pirataria".

    Se um dia me der vontade, escrevo um texto mais ou menos com as ideias que eu tinha na época – que não mudaram muito. Se pá, ainda tenho o texto em algum backup.

    Abraços e acompanharei a coluna!

  • Biostalker002 3 anos atrs

    Muito boa a coluna. Eu acompanhava-a desde o Now Loading, mas não com esse nick aqui.
    Ainda tenho alguns consoles das gerações passadas e uso alguns emuladores no máximo até a época do PSX, ou alguns jogos de arcade no MAME.
    Parabéns pelo retorno, prometo continuar acompanhando!

  • Gilmarzinho 3 anos atrs

    Parabéns pela coluna!
    Já gosto das tuas opiniões no podcast, e agora vou começar a acompanhar a Save State também.

    Isto que tu citou, de jogar online pelo emulador, quebra o maior galho pra mim. Me mudei faz uns dois anos, e uso o emulador pra continuar as jogatinas que tinha com meus amigos lá em casa. Um emulador + Skype e a diversão está garantida noite adentro.

    Gostei de saber um pouco mais de como funciona a emulação. É o tipo de coisa muito interessante, mas que eu não iria num fórum especializado para estudar sobre. Meu negócio é jogar! hehehe

    Valeu!
    Té.

  • Gilmarzinho 3 anos atrs

    Sobre os filtros gráficos, usando como exemplo as imagens que foram usadas na postagem (do Mario World), prefiro 1000 vezes a original, com cara de SNES, do que esta filtrada da direita.
    Pra mim, fica tudo com cara daqueles desenhos feitos com computação gráfica barata para imitar os filmes de grandes estúdios (ex.: Os Carrinhos, Pequenas Sereias, Toys History, etc…*).

    Té.

    * Com excessão do "Carrinhos", inventei esses nomes de filmes, mas deu pra entender. Né?