F4 e saudações galera!

Eu devo ter dito isso em toda coluna que escrevi, e sempre vou repetir porque ela sempre poderá ser a “primeira SaveState” de um novo leitor: a principal vantagem da emulação é poder curtir jogos antigos.

Consoles clássicos que só podem ser encontrados no mercado de usados ou já viraram peças raras não são acessíveis para todos os gamers. Além disso, a emulação traz a independência de plataforma no mundo dos games, pois não estamos mais presos a usar o console original para qual o jogo foi projetado. Emulamos no PC, emulamos em celulares, emulamos em outros consoles.

Por conta do fator nostálgico envolvido, a indústria de games não havia se trado opositora à emulação. Enquanto estivessem sendo criados emuladores de videogames fora de linha, a atitude mais agressiva que as empresas tomavam era pedir que sites removessem ROMs disponíveis para download. A emulação de jogos antigos se tornou um nicho de mercado muito lucrativo para as grandes developers, pois relançando antigos games eles continuam ganhando dinheiro com sucessos do passado.

Mesmo que a nostalgia possa ser considerada uma “pirataria joinha” para alguns dos gigantes da industria dos gamers, a emulação ainda pode provocar temor nessas entidades. Em 1999, apareceram os primeiros emuladores de PSX e N64.

Eles não eram videogames nostálgicos. Eram o carro chefe da Sony e da Big N na época.

UltraHLE

Com apenas 3 anos de vida, o Nintendo 64 ganha o seu primeiro emulador. Seu nascimento prematuro foi facilitado porque os jogos de N64 são codificados na linguagem de programação C, que é suportada nativamente pelos computadores comuns. Assim, o emulador de N64 não precisa interpretar todas as instruções do jogo. Ele apenas precisa tratar de maneira diferenciada as chamadas à biblioteca da linguagem C do N64 e direcioná-las para uma biblioteca própria.

Uma analogia para vocês entenderem melhor: Um interprete de mandarim que traduz em tempo real todas as palavras em uma conversa é que faz o ZSNES. Já o UltraHLE é um interprete que explica apenas as expressões complexas e gírias para um ouvinte que já entende mandarim básico.

O UltraHLE obteve uma emulação com desempenho satisfatório para os computadores daquela época, pois em vez de emular todo processamento dos jogos muitas tarefas ficavam a cargo das placas de vídeo. A desvantagem dessa emulação em alto nível era que deveria ter uma implementação da biblioteca especifica para cada jogo emulado; assim, o UltraHLE suportava poucos jogos.

Temendo uma onda de pirataria de jogos que ainda estavam sendo lançados (e dando lucro!), a Nintendo mudou completamente sua postura tolerante sobre a emulação, ameaçando processar os autores e o site que hospedava o UltraHLE. Mas já era tarde demais. O UltraHLE foi abandonado por seus autores, mas surgiram novas versões do emulador (que tinha código aberto) e futuramente emuladores mais poderosos o deixaram obsoleto.

A postura oficial da Nintendo quanto a emulação pode ser conferida aqui. Leiam por curiosidade, mas não lhe deem crédito por se tratar de uma opinião extremamente tendenciosa.

Virtual Game System e bleem!

Ambos emuladores foram lançados no pico da popularidade do PSX. O VGS foi inicialmente lançado para Macintosh e se tornou muito popular, pois adicionou repentinamente muitos jogos à ínfima coleção disponível para o Mac. Já o bleem! foi originalmente lançado para PC, mas também teve uma versão para Dreamcast chamada de bleemcast!. Ao contrário da maciça maioria de emuladores gratuitos, VGS e bleem! se tornaram produtos lançados comercialmente.

Enquanto o UltraHLE assustou a Nintendo com uma nova onda de pirataria, os emuladores de PSX andavam no sentido contrário. Eles rodavam os CDs dos jogos originais diretamente do drive do computador, criando um concorrente ao próprio console da Sony! Ambos custavam menos da metade do que o PlayStation e prometiam emulação em velocidade compatível.

(Pessoalmente, na época eu nunca consegui rodar o bleem! satisfatoriamente, mas dizem por aí que o VGS era um emulador razoável)

A Sony acionou judicialmente os fabricantes dos emuladores. Em todas as instâncias a gigante perdeu, não conseguiu nem ao menos proibir o bleem! de usar screenshots dos seus jogos na caixa do produto. Embora a decisão final tenha sido favorável aos novos concorrentes, a longa disputa jurídica os desgastou. A empresa responsável pelo bleem! acabou fechando, e a Connectix foi impedida de comercializar o VGS durante todo o processo até ser enfim, comprada pela SCEA. Mas os gamers não ficaram desamparados pois surgiram emuladores gratuitos muito melhores, como o ePSXe.

A geração atual
O Xbox 360 e o Playstation 3 ainda não tiveram sua supremacia ameaçada. Além de ainda não existirem computadores com poder capaz de emular esses consoles suas arquiteturas complexas tornam o trabalho de engenharia reversa impraticável.

A Big N ainda não tomou nenhuma atitude legal contra o Dolphin, emulador de GameCube e GameCube 2 Wii, embora o emulador também acabe estimulando a distribuição ilegal de games (ele não roda os discos originais dos jogos). O emulador é gratuito e embora ainda tenha muito trabalho a ser feito, um computador de ponta consegue rodá-lo quase satisfatoriamente. A lista de jogos compatíveis é bastante razoável. Dolphin promete bastante, e no YouTube já se encontram videos impressionantes de jogos de Wii rodando a resolução HD!

Emulator’s do what Nintendon’t! F2 e até logo!

Computólogo, RPGista, Gamer, viúvo da Sega e Sonysta.

Twitter 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

18 Comentario(s)

  • Pô, ogro, devorar trolls é incesto D=
    De qualquer forma, essa de emuladores serem superiores é uma coisa bem engraçada, Open GL faz milagres =]

  • Puxa,o Bleem na época parecia a salvação do meu vício no PSX, já que meu console estava moribundo. Uma pena que durou tão pouco. Realmente não rodava 100% todos os jogos mas tinha umas configurações que davam uma melhorada nas texturas que me deixou maluco. hehe

  • GabrielVRosa 3 anos atrs

    HOLD IT !

  • É engraçado como em sites tipo o emuasylum ou rom-world você encontra uma infinidade roms pra baixar, mas as roms do super mario world e donkey kong você não encontra

  • Biostalker002 3 anos atrs

    Cheguei ainda a tentar emular coisas mais recentes, tipo o NDS e o Wii. Aí vi que como os consoles eram mais acessíveis, deixei de lado e os comprei.
    Mas ainda uso os emus pra plataformas antigas. É uma pena que consoles tipo o Dreamcast tenham desaparecido completamente. A Tectoy bem que poderia relançá-lo, já que ela tem o Mega Drive e o Master System ainda hoje nas prateleiras, embora com hardware bem mais simples.

    • pois é, queria eu estar jogando shenmue no dreamcast mas nao vende mais novo
      usado nao quero =P

      • Biostalker002 3 anos atrs

        ainda tenho o meu velho, mas ele não lê mais os discos como antes :(

    • Ogro Himself 3 anos atrs

      O Mega Drive e o Master System que estão sendo vendidos não são o mesmo hardware original.

      São processadores genericos que emulam os videogames.

      • Diga-se de passagem as ultimas versãoes do MD da Tec Toy, como aquele com guitarra são Horríveis. A emulação é lenta que doi. U_U

      • Biostalker002 3 anos atrs

        é, eu sabia, me expressei mal hehehe :P

  • LesmaPsicotica 3 anos atrs

    Parabéns ao Ogro pela ótima coluna. Estou aprendendo varias coisas as quais eu não sabia.
    Muito informativa e ao mesmo tempo divertida :D

  • Parabéns pela coluna, Ogro! Estou lendo atrasado os SaveStates, mas só a analogia do mandarim e emuladores já valeu a leitura haha Vou roubar essa de ti, ok? Sucesso!

  • Gilmarzinho 3 anos atrs

    Nâo sabia que já existia emulador de Wii.
    Vou dar uma olhada na configuração recomendada, pois ainda estou usando um Core 2 Duo aqui. hehe

    Té.