Essa é uma época (sem merchã de revistas!) que eu gosto muito: a vinda de uma “nova” geração de consoles. O gosto não é pela geração em si, nem pelas promessas, mas pelos lançamentos que acompanham o movimento: minúsculos consoles androids financiados pelo Kickstarter, tablets com uma configuração melhor que o pc onde escrevo esse texto, fabricantes de placas de vídeo anunciando tablet/console… Parece uma corrida louca onde todo mundo quer o seu lugar ao sol. E, no meio desses boatos, lançamentos e vazamento de informações, temos o tão falado SteamBox.

O que é o SteamBox?
Steambox é o “console” da Valve, empresa responsável pelo lançamento das franquias Half Life, Portal e do FPS mais chapelesco que existe, o Team Fortress 2. A Valve também é a criadora do Steam, ambiente virtual onde você consegue comprar milhares de jogos de Pc – e que chegou oficialmente ao Brasil no fim do ano passado. O problema nessa definição é chamar o Steambox de “console”; tudo leva a crer que ele seja um computador de tamanho bem reduzido, mas com especificações técnicas capazes de rodar todos os jogos disponíveis no Steam de maneira satisfatória. E é aqui que começam as polêmicas.

Sistema Operacional
O Windows 8 recebeu duras críticas de Gabe Newells, CEO da Valve, como solução alternativa ao S.O. o “pai do Steam” avalia seriamente a migração para o sistema Unix, sendo que uma pequena parte dos jogos já é jogável em algumas versões da família, principalmente no Ubuntu. Seria essa a aposta de Gabe?

A grande dificuldade em adaptar jogos do Windows para o Linux é o famoso Direct X – um conjunto de rotinas de aúdio e vídeo muito utilizada em jogos. E sabe quem é o dono da Direct X? A Microsoft, produtora do windows e fabricante da linha XBOX (e então você começa a descobrir de onde vem o nome do console)… A saída? Alguns rumores apontam que a Valve estaria desenvolvendo uma espécie de “tradutor” capaz de ler códigos em Direct X e gerá-los pelo OpenGl (biblioteca gráfica disponível no Linux). O maior desafio é fazer esse procedimento consumindo o mínimo de recursos possíveis – e da maneira mais rápida.

E os Upgrades?
Comparar a performance de jogos entre o PC e os consoles é uma tarefa injusta: na maioria das vezes as versões de console possuem uma menor resolução, framerate travado, gráficos mais “serrilhados” e até mesmo mais objetos/detalhes em cena! O problema é que você pode trocar todos os componentes do seu computador, enquanto o hardware dos pcs é o mesmo – exceto por alguns pequenos detalhes, como o disco rígido e o número de entradas para joystick/usb…

Então vem a pergunta: como o Steambox se comportará em relação aos upgrade? Teremos uma configuração fixa? Poderemos comprar uma placa de vídeo nova e instalar, ou ficaremos presos ao lançamento de um novo console? E qual seria a periodicidade de lançamento de novas versões? Fico imaginando se a Valve cismar de lançar uma ‘revisão de hardware’ anual, como a Apple faz com os diversos iStuffs…

Protótipo
Durante a CES (Consumer Electronics Show), evento que ocorreu em janeiro de 2013, a empresa Xi3 anunciou o Priston – um computador do tamanho do seu punho fechado. Conhecida por seus computadores com design diferenciado, de pequeno porte e baixo consumo de energia, a Xi3 foi confirmada como parceira da Valve. Seria o Priston um protótipo da Steam Box? Nada foi confirmado, mas na imagem abaixo podemos ver que ele tem que ser respeitado pelos concorrentes, pois conta com saída HDMI (aúdio e vídeo), 8 USBs (usadas para conectar dispositivos diversos, com mouse, teclado, impressoras, joysticks… ), sendo 4 delas 2.0 e 4 3.0 (mais rápidas) e 4 e-SATA (conexão normalmente utilizada para ligar discos rígidos e leitores Cd/Dvd/BR), além da porta Ethernet (para cabo de rede).

Será essa a cara do SteamBox?
Será essa a cara do SteamBox?

Vale lembrar que tudo que eu disse aqui está na base dos boatos da interwebs ou do meu próprio achismo. E ainda existem muitos pontos importantes a serem decididos, como: Qual a configuração? Vai ser mais poderoso que o Ps4/Xbox 720? O Steam será o mesmo, com promoções cada vez mais tentadoras? E o mais importante: qual o preço dessa brincadeira?

Bruno Esteves

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

12 Comentario(s)

  • Por ser um produto proprietário (diferente da maioria dos PC's, que possuem varias marcas de peças diferentes) e customizável, talvez o SteamBox tenha um upgrade periódico mesmo, mas pelo historico da Valve eu acredito que o tempo entre as atualizações serão bem grandes, talvez até demais… (https://developer.valvesoftware.com/wiki/Valve_Time)

    No final eu tenho esperanças que funcione, gosto da empresa, parece que eles fazem as coisas pensando no consumidor final, mesmo que depois eles queiram me tirar rios de dinheiros com chapéus ridiculos. Uma coisa que é certa de acontecer é que se eles anunciarem que o Steambox for sair com HL3 junto, 2/3 da internet vai comprar essa geringonça mesmo que ela nem funcione. :D_

    • Caramba, lançar HL3 junto com o Steam box seria uma jogada de mestre, mesmo que o aparelho se mostrasse um fail depois.
      Ainda acho cedo pra prever se vai dar certo ou não, mas a Valve não costuma atirar pra errar. Se pretendem mesmo lançar isso devem ter estudado muito as possibilidades e os possíveis problemas. A ideia de ter um PC "no ponto" pra rodar os jogos do Steam é bacana. Vamos ver no que dá.

      • Pois é, a ideia é essa: PC pronto pra jogar. Sem ter que ficar fuçando em configuração pra ajustar a resolução, over clocking, procurar novos drives de video, saber se o seu pc 'roda' aquele jogo… Tão fácil (e prático) quanto num console.

    • HL 3 'de graça' e exclusivo na compra do SteamBox = Valve ganha a próxima geração
      =D

    • Flying Kirby 3 anos atrs

      Se sair com Half Life 3… SHUT UP AND TAKE MY SOUL!

    • Biostalker002 3 anos atrs

      Se tiver HL3 eu fico felizaço!! Mas admito que eu tenho bastante hype com esse negocinho.

  • Enquanto lia o post estava aqui pensando com meus botões a questão do hardware deste "console".

    Sempre trabalhei com tecnologia e computadores. Um computador com uma configuração suficiente para rodar com performance razoável qualquer produto da Steam pode sair bem caro. Eu chutaria um valor na faixa dos 2 mil reais (digo isso pois a minha máquina tem o mínimo de configuração para que qualquer jogo da Steam rode, não necessariamente bem), até mais se você quiser ter um framerate estável junto com qualidade gráfica decente. Nós todos sabemos como são enormes as GPUs atuais que tem essa capacidade e como é grande a preocupação com a refrigeração da máquina por causa da alta performance do hardware…

    Eu não sei como a Valve vai montar dentro de um console compacto (porque eu não imagino que ela vá produzir um SteamBox dentro de um gabinete V5 Black da TT) um hardware com potência suficiente pra isso. E aliando isso ao fato já existente da necessidade de atualização de hardware com a crescente evolução das tecnologias de games, fica difícil especular como vai ser realmente a estrutura desse console.

    Pessoalmente eu estou mais interessado no Ouya. Acho que a proposta dele tem mais chances de um espaço garantido entre os consoles compactos que estão chegando.

    • Ouya tb me faz pensar; meu único receio é com relação à 'Ouya-store'. Se qualquer um pode lançar qualquer coisa pra ela, vai ser aquela bagunça 'itunes/android market'-style. Mas tem que lançar, ver os primeiros meses pra ter certeza se vale – ou não – embarcar nessa.

      • É uma questão a se pensar. Acho que, se a organização interna for semelhante à do Android (e, diga-se de passagem, este é o sistema operacional que vai funcionar no Ouya, pra quem ainda não sabia) pode acabar virando realmente uma "zona", como você disse. Tem que ter uma equipe só pra analizar os programas que vão entrar e, como tudo, isso envolve custo, tempo e pessoas… Mas é o preço que deve-se pagar se não quiser ter um app falso que rouba os dados do seu cartão de crédito na loja do console.

  • LocoMilk 3 anos atrs

    Essa proxima geração vai ser dureza escolher um console,
    eu sempre curti mais os consoles de mesa à pc's justamente pela comodidade,
    vamo ver agora se esses novos mini consoles conseguem fazer alguma diferença na escolha so pessoal,
    por em quanto ainda ñ vi nada que me fizesse escolher um steambox.

    • Essa geração eu comecei com PC + Wii. Não resisti e comprei um Ps3 e só agora, no final dela, consegui um Xbox 360. Se o Steambox 'vier pra ficar' e num preço realmente bom, posso pensar em começar a geração com ele – até pq meu Core 2 Duo + 4 Gb Ram + Ati HD 4830 já está precisando de uma 'reforma'. Ou vou pro Ps4, dependendo de como for a PS+ nele. Ou Xbox 720/Durango… certeza eu só tenho uma: verei o maior número de conferências da E3 que puder, pq esse ano promete!