Olá pessoal!!!

Como eu esqueci a Gamics de 31/05??? Mil desculpas. O feriado prolongado me fez esquecer da vida (pelo menos descansei um pouco…).

Bom, lá na segunda Gamics, falei das HQs brasileiras de Street Fighter e, aproveitando a coluna da semana passada, vamos falar de como uma editora conseguiu fazer parte da identidade visual atual da Capcom e, em quadrinhos, expandir e muito o universo do mais amado jogo de luta de todos os tempos (e também por que to no hype de ficar participando- leia apanhando- em campeonatinhos de SSFIV).

A UDON Entertainment Corporation é uma editora canadense que começou a ganhar certa notoriedade em adaptações em quadrinhos das versões americanas de animes famosos como Transformers e Robotech (Macross), mas que conseguiu mais projeção quando adquiriu os direitos de produção de HQs de Street Fighter. Com vários artistas trabalhando no estúdio, poucos foram os que se destacaram, devido emularem o traço de Alvin Lee, que seria a principal estrela da editora, mas teve grandes nomes em seu staff, como Joe Madureira e outros nomes um pouco mais desconhecidos do grande público.

street.fighter.06-13

Mas indo as HQs em si, para os padrões de um game de luta, a história foi muito bem amarrada: começando pelo Super Street Fighter 2 Turbo (a versão atualmente canônica do clássica SF2), “conhecemos” a Shadaloo e todos os heróis e vilões da saga, com alguns aditivos interessantes: contemplamos o visual de Gouken, antes mesmo do lançamento de Street Fighter 4 (o que gera a teoria que foi a editora quem definiu a base do personagem- até boneco ele virou), além de definir algumas coisas até diferentes dos games: como Lisa (noiva de Ken) engravidar antes dos dois casarem. Levaram uma linha do tempo bem diferente, algo parecido com o que Alexandre Nagado e Artur Garcia fizeram no Brasil: a saga Zero não é um prequel, mas uma continuação de SF clássico (não me perguntem como), o que explicou um pouco o fato da Sakura ter 17 anos na época do SFIV.

Porém, em minha opinião, o mais interessante ficou com o menos explorado dos jogos de SF depois Street_Fighter_4_Cover_by_UdonCrewda série EX:  Yun e Yang, de SFIII dão o ar da graça na HQ, como netos do assassino Gen (o que justifica seus estilos de luta e golpes tão parecidos) além do velhinho ser mestre de Chun-Li, numa clara referência ao que foi feito com o (péssimo) filme Street Fighter a Lenda de Chun-Li, que inclusive teve uma mini-serie pelas mãos do estúdio- só espero não sei se é uma adaptação fiel, mas teve quatro números em 2009.

Vamos falar um pouco aqui sobre o primeiro arco de histórias, que ironicamente lembra muito a mini-serie nacional, desenhada por Érica Awano e roteirizado por Marcelo Cassaro.

A história se divide em duas linhas do tempo. A primeira, claramente baseada em SF Alpha: Ryu presencia a morte de seu mestre Gouken nas mãos de seu irmão Akuma e, junto com Ken, prometem vingança, além do karateca ter de lutar contra seu próprio demônio interior. Em outro local do mundo, Guile 9que procura por seu amigo Charlie) e a policial da interpol Chun-Li unem forças nas investigações para desmantelar a organização terrorista Shadaloo, comandada pelo tirano pisquico Bison. Outras porradas não faltam, como Vega vs Ken, Ryu vs Sagat. E tudo com Sakura atrás de seu ídolo, chegando a encontrar com Dan (e dar uma surra no cara).

street.fighter.00-03Já na segunda parte, já baseada na série Super Street Fighter 2, com Cammy fazendo parte do MI6 (até seus companheiros do universo expandido tem um bom destaque), mas as referências as demais séries (e principalmente uma linha do tempo bem mais enxuta), como Sakura se tornando aluna de Ryu fazem com que o entendimento da história de um jogo de luta fique mais agradável e bem mais fácil de entender.

O grande foco dessa vez é do retorno da Shadalloo, com um novo grupo de assassinas genéticamente modificadas, mas por um cientista dissidente de Bison (seria baseado nas HQs de Alexandre Nagado?), com destaque para a aliança de Cammy e Chun-Li, além dos treinos de Ryu e Sakura e o casamento de Ken e Eliza (estragados por Balrog e Vega). Aparições de outros personagens, como Adon e outros mais desconhecidos de SF1 fazem com que os “cata piolhos” de jogos de luta se deleitem. Os roteiristas manjam mesmo da “cosmologia” de SF.

O primeiro arco, de 14 edições é bem competente, apesar do traço falhar em alguns momentos: o estúdio é ótimo em character design, mas péssimo (ao meu ver) em diagramação e composição de cena: em muitos momentos a página fica confusa, não conseguindo acompanhar muito bem a ação, fora o traço irregular. E como a composição de cada edição lembra o SF Zero brasileiro: até as histórias mais curtas ao final de cada edição por um artista diferente estão lá, fora que o roteiro parece que foi o próprio Cassaro quem fez, com mais números pra trabalhar.

No mais, a HQ é divertida pelos easter eggs já citados, com um ponto altíssimo (no primeiro arco, o único que achei em português) a relação de Guile com sua mulher e filha.

A conclusão que chego é que a Capcom tem o melhor staff de personagens para um jogo de luta, pois todos os jogadores tem seus favoritos e sempre quando alguém lembra de um personagem que poderia estar no Super Street 4, por exemplo, sempre tem alguém para lançar um “nossa, é mesmo!”. Pena que só temos essas interações na HQ…

street.fighter.00-10

E é isso, galera. Mais uma vez me desculpo pelo atraso (mas acho que ninguém notou) e até daqui quinze dias!

Ah sim, abaixo tem todas as séries da UDON:

Street Fighter

  • Street Fighter #0-14 (2003–2005)
  • Street Fighter II #0-6 (2005–2006)
  • Street Fighter Legends: Sakura #1-4 (2006)
  • Street Fighter Remix #0 (2008)
  • Street Fighter II Turbo #1-12 (2008–2010)
  • Street Fighter Legends: Chun Li #1-4 (2009)
  • Street Fighter IV #1-4 (2009)
  • Street Fighter Legends: Ibuki #1-4 (2010)

Darkstalkers

  • Darkstalkers #1-6 (2004–2005, originally through Devil’s Due Publishing)
  • Darkstalkers: The Night Warriors #1-3 (2010)

Exalted #0-4 (2005–2006,) - baseado no RPG de Fantasia Medieval da White Wolf (a mesma de Vampiro: a Máscara)

Cannon Busters #0-2 (2005–2006)

Rival Schools #1-4 (2006, issues #3-4 publicado exclusivamente on-line)- sim eles lembram de Rival Schools e a Capcom não.

Escritor frustrado e viúva da Sega, acho que sou o único que gosta dos amigos do Sonic (até mesmo aquele gato estranho do Adventure 2).

Facebook Twitter YouTube 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

4 Comentario(s)

  • Leonardo Leão 3 anos atrs

    A serie do Street Fighter da UDON é incrível! A arte é phoda e a história vale a pena ser acompanhada. Toda edição tem uma mini história com algum artista convidado, e uma que merece ser mencionada é a da 1ª edição, em que Joe Madureira desenha como foi a luta do Ryu vs Sagat no primeiro jogo do Street Fighter, vale a pena conferir.

  • As Hqs da UDON são muito boas. Não é atoa que é a editora oficial das adaptações da Capcom. Não sabia da HQ de rival schools. Caçando AGORA!!!
    Ah, a de SF dá pra ler online oficialmente aqui: http://www.streetfightercomics.com/

    Eles tbm foram responsáveis pelo remake visual de Super Street Fighter 2 turbo HD remix que terei de imediato quando tiver um PS3 XD

  • Eu achava que a UDON era oriental O_o

  • Tohno Shiki 3 anos atrs

    O problema da Udon é que as vezes tem um jeitão "Massa Véio" do ranço dos anos 90 e as vezes algumas liberdades poéticas que fazem até sentido.
    Existe algumas diferenças como na cronologia dos jogos Yun e o Yang são adotados e treinados pelo Lee do SF1, Gen tem ligações que ninguém explicou até o momento com o pai da Chun – Li e se sente culpado por ter deixado o pai dela ser sequestrado por alguma razão estranha.
    Ryu na cronologia normal não foi o cara que encontrou o Gouken em coma, mas sim o Ken…. que foi retconizado para que ninguém encontrou o corpo do Gouken, mas ele após o 2 ensinando alguma coisa que presta pra Sakura faz sentido, o triste é saber que no SSF4AE a Sakura é um personagem melhor que o Ryu agora