Todo mundo que acompanha as últimas notícias deve ter visto que a Microsoft vai dificultar a vida de quem troca/revende os jogos usados. Ainda não temos nenhuma noção de como vai funcionar, mas os rumores apontam para o seguinte esquema:
01) Ao comprar um jogo novo, lacrado, o mesmo terá um ‘serial’ que vai vincular o game à sua conta da live e ao seu console; o registro na sua conta permitirá que você jogue esse jogo em um Xbox One diferente do seu, enquanto o cadastro do seu console deixará que outras contas executem o jogo no mesmo aparelho – como a conta do seu companheiro, colega de quarto, irmão/irmã, primo pentelho que só quer jogar o seu jogo…
02) Como você será obrigado a se conectar à Live pelo menos uma vez por dia, essa conexão servirá para ‘validar’ os seus jogos, garantindo que você ainda é dono deles e pode jogá-los quando quiser;
03) Caso você decida vender, emprestar ou mesmo trocar o jogo, ele continuará atrelado a sua conta e console, sendo impossível a execução dele em outra máquina. Caso o ‘próximo dono’ queira jogar, ele precisará comprar a ‘licença’ do SEU jogo, ou seja: ele será descadastrado de sua conta/console – já que ele não é mais seu!
04) O custo dessa ‘transferência’ de serial ainda não foi revelado, mas acredita-se que parte desse ‘custo’ será repassado para as distribuidoras e, indiretamente, para os estúdios responsáveis por isso.

Pois é, se você quiser ‘trocar’ um jogo com seu amigo, terá que ‘comprar’ um código, mais ou menos como acontece com o online pass – só que você vai ter que pagar para usar o conteúdo offline também!

Essa decisão revoltou muitos usuários, a ponto do pessoal do NeoGaf lançar uma campanha no twitter com as hashtags #PS4NoDRM (PS4 Sem DRM) e #PS4USEDGAMES (PS4 Jogos Usados) e direcionando os twitts para alguns dos figurões da Sony que possuem contas na mídia social, como o presidente Shurei Yoshida (@yosp), o vice presidente de Marketing da marca Playstation Guy Longworth (@luckylongworth) e o chefe do setor de desenvolvimento de softwares da Playstation Americana, Scott Rohde (@rohdescott). Já sabemos que a campanha atingiu a Sony, já que o próprio Shurei Yoshida trollou a internet com o seguinte twitt:

gfs_110478_2_1

Trollagem do @yosp

A Sony não se pronunciou oficialmente sobre o assunto, mas parece que ela deixará a decisão da proibição de usados para as thirdies parties, fazendo com que as ‘pedras’ que os jogadores estão atirando na Microsoft se virem para as distribuidoras e não para a própria Sony. Basta saber se ela mesmo não irá adotar essa política nos jogos desenvolvidos por seus estúdios…

Somos nós os grandes prejudicados por essa decisão, certo? Sim e não. Grande parte do lucro de redes como a Gamestop (americana), Game (Britânica) e a EB Games (Canadense) vem da compra de jogos usados para revendê-los mais barato ao próximo consumidor. Com essa ‘taxa’ de transferência de serial a margem de lucro dessas lojas vai cair consideravelmente, já que elas vão ter um gasto extra. Ou seja: eles vão ofertar menos dinheiro para o gamer que quiser se desfazer de seu jogo, e possivelmente cobrar mais caro do gamer que qusier comprar um usado…

Ainda está cedo para saber qual a bandeira eu vou levantar na próxima geração, mas com certeza o meu número de ‘jogos em mídia física’ vai diminuir, principalmente se a Sony e a Microsoft continuarem com as promoções de jogos sob demanda que aparecem vez ou outra lá na Saving Gil! E é claro, vamos acompanhar a E3 para saber mais informações sobre a política de usados da Sony e Microsoft para a próxima geração!

PS: O WiiU não possui nenhum tipo de trava para usados. Ainda.
PPS: A Microsoft disse que a política de DRM possui muitas vantagens

Bruno Esteves

Categoria:

Hysteria

Tags:

, , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

5 Comentario(s)

  • Acho legal essa mobilização por parte da galera e se as empresas não mudarem a postura sobre os jogos usados os consumidores vão ter que apelar para os meios alternativos "pirataria". No final das contas as empresas de que atrair nos consumidores para o seu "lado" e não nos afastar mais fico no aguardo da E3 para ter informações definitivas sobre essa questão.

    • Pois é Anderson… e como disse o diretor do Gog: DRM só atrapalha quem compra o jogo, pq o pirateiro já 'baixa' o jogo com crack e tudo. Mais detalhes nessa ótima entrevista (em inglês): http://www.forbes.com/sites/erikkain/2013/05/30/g

      • Infelizmente esse tipo de política de proteção só prejudica o jogador honesto mesmo. Certo que o mercado de usados nos EUA movimenta uma grana, mas impedir a prática pra compensar o prejuizo dos piratas é absurdo.

        Se bem que no PC a Valve faz isso ha um bom tempo. Todos os jogos que usam steamworks e são vendidos em mídia física (darksiders por exemplo) só servem como backup após a ativação. Mas como a grande maioria pirateia no PC ninguém nem faz muita questão. XD

  • Nem tenho uma prateleira pra colocar minhas mídias mesmo =/

  • safomatetor 3 anos atrs

    É um processo de inversão ne, a mídia física está deixando de ser útil, antes o que era necessário até porque o jogo de 4gb era uma eternidade para baixar hoje em dia não é nada, nem para mim por exemplo.

    Eu gosto bastante da mídia física, por exemplo o last of us que devo pagar uns 30 reais a mais do que ele online só para ter o jogo físico XD